O Pix é seguro? Descubra como se proteger de golpes

por Pix

Publicado em 8 de outubro, 2021 | Atualizado em 19 de fevereiro, 2024

O Pix se popularizou rapidamente pelo mercado, se tornando um dos principais meios de pagamento no Brasil. Conforme o Banco Central, em 2022, as transações ultrapassam a marca de 2 bilhões por mês, movimentando 14 trilhões de reais, aproximadamente.

É importante ressaltar que, considerando todos os mecanismos de proteção, o Pix é seguro. Entretanto, assim como em outros métodos, existem pessoas mal-intencionadas que criam mecanismos de golpes para receber dinheiro ilegalmente.

Ao longo deste texto, vamos te mostrar todos os recursos que podem ser utilizados para a proteção de suas transações Pix. Dessa forma, você evita cair em golpes e deixa o seu caixa ainda mais seguro.

O que é Pix? 

O Pix foi disponibilizado em 2020, pelo BC. Em pouco tempo, esse se tornou o método de pagamento mais popular entre os consumidores. Com ele, é possível receber dinheiro e efetuar pagamentos instantâneos por meio de uma única chave Pix, facilitando o processo de venda.

Além de melhorar a experiência de compra, o Pix também traz maior agilidade para finalizar a compra de seus clientes. Por isso, é importante considerá-lo na hora de decidir sobre as opções de pagamento da sua empresa.

Como o Pix funciona?

O Pix é um método de pagamento que funciona por meio de uma chave de transferência. Com ela, sua empresa consegue efetuar os pagamentos necessários e, ainda, receber de seus clientes. Tudo em um único lugar.

Atualmente, grande parte das instituições financeiras fazem a integração desse método dentro das plataformas.

Uso do QR code Pix

Em empresas, o QR code pode ser uma forma prática e conveniente de receber os pagamentos no Pix dos seus clientes. Basicamente, ele é um “código bidimensional”, que pode ser escaneado por dispositivos móveis.

Assim, o cliente pode efetuar o pagamento de forma rápida, sem a necessidade de digitar números de conta ou outras informações. Isso agiliza o processo de compra e aumenta a comodidade para o consumidor.

Além disso, o QR code Pix oferece segurança para sua empresa, já que as transações são criptografadas e contam com mecanismos de autenticação

Dentro do Pix, existem duas modalidades de QR code: o estático e o dinâmico

QR code Estático

O QR code Estático possui código fixo. No caso de recebimento do valor de seus produtos, você tem duas opções: gerar um código com valor fixo de compra ou não estabelecer nenhum valor, deixando que o próprio cliente coloque a quantia da operação. 

Ele é mais adequado para doações ou pagamento recorrente. Entretanto, caso essa seja a opção mais eficiente para sua empresa, é importante ter um bom sistema de recebimento.

Dessa forma, você poderá acompanhar a entrada de dinheiro, evitando golpes em seu estabelecimento. 

QR code Dinâmico

O QR code Dinâmico é uma modalidade onde cada venda terá um código próprio, com valores e prazos variáveis. Isso faz com que essa modalidade se adapte melhor ao comércio. Principalmente, empresas que vendem produtos com valores diversos.

Para conseguir aplicar o QR code Dinâmico no seu comércio, você pode abrir uma conta digital para empresa que apresente essa solução. Geralmente, além do Pix, essas instituições oferecem outras opções de pagamento para empresas.

Além disso, o QR Code Dinâmico pode ser gerado rapidamente pelo aplicativo do Asaas, dentro da ferramenta “cobrar agora”. Com essa função, você pode gerar o código para ser escaneado pelo cliente com facilidade e dinamismo.

Para acessar o “cobrar agora”, basta baixar o aplicativo do Asaas nas lojas de IOS e Android.

Limites do Pix

O Pix permite transações 24 horas, todos os dias, incluindo finais de semana e feriados. Porém, com as novas atualizações, há um limite de R$ 1 mil para pagamentos e transferências no Pix noturno, vigente das 20h às 6h ou das 22h às 6h.

É importante lembrar que, conforme o Banco Central, os clientes devem ter a opção de escolher alterar esse valor, bem como o horário, basta contatar seu banco ou fintech.

A única restrição é que o prazo mínimo para efetuar o ajuste no limite é de 24 horas. Assim, em caso de situação de risco, não será possível realizar a alteração imediata. É mais uma forma de prevenir extorsões, fraudes e sequestros.

Modalidades Pix

Com a popularização do Pix, outras modalidades começaram a ser integradas ao sistema. Atualmente, o Pix dispõe de 3 modalidades principais, que trazem maior facilidade para os processos financeiros empresariais. São elas:

Pix Saque

O Pix Saque é uma funcionalidade que permite que os clientes saquem dinheiro em comércios. Ou seja, em vez de ir a uma agência bancária, ele pode parar em um estabelecimento, fazer o Pix e receber o mesmo valor transferido na hora.

Pix Troco

O Pix Troco permite que seu cliente, na hora de pagar pela compra, realize um Pix com o valor maior do que o do produto e receba troco em dinheiro. Assim, seu cliente não precisa recorrer a um caixa eletrônico para retirar pequenos valores. 

O Pix é seguro?

O Pix é seguro porque as informações pessoais utilizadas nas transações, assim como nas feitas via TED e DOC, estão protegidas pelo sigilo bancário. Baseando-se na Lei Complementar nº 105 e nas disposições da Lei Geral de Proteção de Dados.

A mesma segurança do TED e do DOC é transferida ao Pix porque todos esses meios possuem camadas de autenticação e criptografia. 

Além disso, o Pix também conta com a segurança dos apps dos bancos, como a senha e a biometria. Por isso, podemos dizer que o Pix é seguro e deve ser utilizado sem preocupação. 

Assegurado pelo Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB)

O Sistema de Pagamentos Brasileiro tem como principal finalidade a transferência de recursos entre bancos, viabilizando processos de pagamentos entre pessoas físicas e jurídicas, governo, Banco Central e instituições financeiras. 

Toda transação econômica que envolve o uso de cheque, cartão de crédito ou transferência eletrônica (TED, DOC e Pix), por exemplo, envolve o SPB.

A finalidade básica do Sistema de Pagamentos é a liquidação de pagamentos entre as instituições com sigilo e segurança

Todas as chaves Pix são seguras?

A chave Pix nada mais é do que um apelido que você cria para a sua conta. Não precisa se preocupar porque ela não substitui as suas senhas de banco e nem a sua biometria. 

Mesmo com as suas chaves cadastradas, para realizar uma operação no Pix, o aplicativo do seu banco ou fintech ainda usará todas as camadas de segurança da instituição financeira ou de pagamentos

Para resumir, podemos dizer que sim, todas as chaves Pix são seguras. As opções de chaves são:

  • CPF/CNPJ;
  • Número do celular;
  • E-mail;
  • Chave aleatória. 

É seguro cadastrar CPF e CNPJ na chave Pix?

Para realizar qualquer operação financeira, inclusive o Pix, o aplicativo do seu banco ou fintech usará todas as camadas de segurança necessárias. O sistema só vai aceitar o CPF/CNPJ caso esse documento já esteja no cadastro do cliente do banco.

Ou seja, o seu número de documento já está atrelado ao aplicativo do seu banco e quando a chave Pix é criada, automaticamente ele reconhece os dados utilizados.

Outro ponto importante para lembrar é: você não precisa dizer o número do CNPJ da sua empresa para várias pessoas

Atualmente, o sistema já permite gerar uma chave aleatória, que é uma sequência de números criada pelo próprio sistema, ou um QR code. Você também pode ter mais de uma Chave Pix cadastrada, como o seu e-mail e o número de celular, por exemplo. 

Quais os mecanismos de segurança do Pix?

O Pix conta com diversos mecanismos que garantem a segurança das transferências financeiras. Os principais recursos utilizados para proteger sua conta são:

1. Identificação de usuário

Antes de qualquer pagamento ou transferência via Pix, o usuário deve fazer a identificação padrão dos celulares e aplicativos. Neste caso, será pedido que sejam criadas senhas, envio de token, reconhecimento biométrico, entre outros métodos de segurança.

2. Criptografia de dados

Na Rede do Sistema Financeiro Nacional, que é uma rede de dados operada pelo Banco Central, todos os dados do Pix transitam criptografados. Isso significa que essa rede é totalmente segura. 

3. Sistema antifraude

Atualmente, as instituições financeiras e de pagamento já integram um sistema antifraude, que rastreia transações fora do padrão de perfil do usuário. Se for verificado suspeita, as transações ficam bloqueadas, por 30 minutos durante o dia e 60 minutos durante a noite.

4. Impedimento de proteção

No caso de uma transação marcada como fraude, o “fraudador” fica marcado no sistema como suspeito e essa informação é passada para todas as instituições. Além disso, caso a transação não se confirme segura, ela é cancelada até a confirmação do usuário real. 

Quais são os riscos do Pix?

O Pix é um método seguro de cobrança. Porém, assim como em qualquer outra situação, existem pessoas mal-intencionadas que utilizam a ferramenta para aplicar golpes.

Como o Pix depende de autorização para ser efetuado, geralmente, os golpistas utilizam táticas de engenharia social para convencer as vítimas a prosseguir com o pagamento. Por isso, é importante estar atento às mensagens ou propostas duvidosas.

Responsabilidade das instituições financeiras em caso de fraude

Geralmente, as instituições financeiras não têm responsabilidade quando há um crime utilizando o Pix. Isso porque, na maioria dos casos, a própria vítima é quem faz o login no aplicativo e permite a transferência.

As únicas exceções, até o momento, é nos casos de sequestro relâmpago, quando a vítima aciona a instituição logo em seguida ou quando há suspeita de invasão no aplicativo.

Quais são os golpes mais comuns no Pix?

Os golpes do Pix, infelizmente, são muito comuns. Para evitar esse tipo de estresse em sua empresa, vamos te explicar como essas fraudes funcionam. Assim, será mais fácil analisar as situações e se proteger contra elas.

Golpe do WhatsApp clonado

Por ser muito acessível, o WhatsApp acaba sendo uma das ferramentas mais utilizadas para golpes. O golpe do WhatsApp clonado pode ter sérias consequências para as empresas por diversos motivos.

Nesse caso, a situação mais comum é quando um golpista se passa por funcionário, autorizando transferências financeiras para contas suspeitas. Se a equipe não estiver preparada, a transferência pode ser realizada, gerando grandes prejuízos.

Por isso, divulgue boas práticas de segurança no trabalho, como: 

  • Manter as conversas importantes para a empresa em um único canal de comunicação;
  • Sempre conferir os dados da pessoa com quem está conversando, tendo certeza de que pertence à corporação;
  • Em caso de grandes decisões, busque confirmar com o colaborador por outro canal de comunicação.

Golpe das falsas centrais de atendimento

Nesse caso, os golpistas se passam por funcionários da central de atendimento de um banco ou instituição financeira. Eles entram em contato com as vítimas, solicitando informações pessoais, como senhas, dados bancários ou códigos de segurança do Pix.

É importante lembrar que as instituições financeiras nunca solicitarão informações confidenciais dessa maneira. Sempre verifique a autenticidade do contato, ligando para sua agência ou fintech.

Golpe Bug do Pix

Esse golpe utiliza técnicas de convencimento para a conclusão das transações financeiras. Neste caso, eles compartilham mensagens incentivando as pessoas a fazerem um Pix para uma conta, prometendo que o dinheiro retornará em maior quantidade

A divulgação, geralmente, é feita nas redes sociais, com perfis falsos ou de conhecidos hackeados. Por isso, fique atento: não existe nenhum bug do Pix que multiplica o dinheiro! 

Para conseguir aumentar seu capital de giro, existem maneiras mais seguras para recorrer, como, por exemplo, a antecipação de recebíveis ou o financiamento.

Golpe do QR Code falso

Neste caso, os golpistas divulgam QR Codes em anúncios online ou estabelecimentos comerciais, oferecendo algum produto em nome de sua empresa. Geralmente, eles aparecem como uma promoção de cadastro ou concessão de desconto para determinados produtos.

Quando um cliente escaneia o código falso para realizar um pagamento, o valor é direcionado para a conta dos golpistas. Além de impedir a compra, isso acaba fazendo com que o cliente perca a confiabilidade na sua empresa.

Golpe do Arquivo falso

Nesse golpe, os criminosos enviam documentos (em PDF, imagens ou links de aplicativos) com códigos maliciosos ou sites falsos. Quando a vítima abre o arquivo, seus dispositivos podem ser infectados, dando acesso a senhas, dados ou códigos de segurança do banco.

Eles podem se passar por instituições financeiras, empresas ou contatos confiáveis. Os arquivos falsos podem ser apresentados como faturas, notas fiscais ou quaisquer outros documentos importantes.

Golpe do Comprovante Falso

Nesse golpe, os golpistas enviam comprovantes de pagamento falsos após realizar uma transação com uma empresa. Neste caso, eles mostram uma imagem adulterada para comprovar a compra, fazendo com que o seu caixa acredite que ele tenha efetuado o Pix.

Por isso, é importante ter mecanismos de controle, que possam acompanhar a transação e dar certeza de que o pagamento foi recebido.

Como se prevenir de golpes do Pix?

Para evitar que golpes do Pix em sua empresa, vamos te ensinar algumas táticas de segurança de dados para realizar em sua empresa. 

Vale lembrar que os golpes e as fraudes podem ocorrer em quaisquer modalidades de pagamento. Por isso, é importante sempre ter atenção redobrada ao abrir links ou transferir dinheiro. Tenha certeza de todas as informações da transação.

Faça a atualização de senhas

O primeiro passo para garantir a segurança bancária do seu comércio é fazer a atualização de suas senhas. Busque criar senhas fortes e diferentes para suas contas, evitando informações pessoais óbvias.

Elas devem ser trocadas, ao menos, a cada 3 meses, impedindo que outras pessoas tenham acesso a ela. 

Utilize o mecanismo de Tokenização

Utilizar o mecanismo de tokenização é importante por diversos motivos relacionados à segurança e proteção de informações sensíveis. A tokenização é um método que substitui os dados reais por um token único, gerado de forma aleatória. 

É como se fosse uma chave de acesso. Esse token não possui nenhuma relação direta com os dados originais, tornando-o inútil para esses criminosos. 

Tenha um sistemas de segurança

Para evitar prejuízos, é importante obter um sistema de segurança eficiente, que atenda as necessidades de sua empresa. O funcionamento desse tipo de sistema é baseado em cruzamento e análise de dados, identificando as movimentações da empresa.

Assim, quando há o alerta de uma possível fraude, o sistema já impede a transação, colaborando com a segurança do seu estabelecimento.

Utilize uma plataforma de pagamentos segura

Outro ponto importante para prevenir golpes ou fraudes à sua conta bancária é contar com uma plataforma de pagamentos segura. Esse tipo de sistema garante um controle de acesso, evitando que outras pessoas invadam seus dados.

Além de garantir a proteção da sua conta, é importante que essa plataforma seja eficiente e completa, assim como o Asaas.

Conheça o Asaas

O Asaas é uma conta digital para empresas. Além de oferecer diversos meios de pagamento, a fintech também integra inovação tecnológica ao seu comércio, trazendo a possibilidade das cobranças automatizadas, por exemplo.Se você busca por uma instituição financeira que ofereça diversos tipos de pagamento e agregue valor tecnológico ao seu negócio, abra sua conta no Asaas agora mesmo!

Simplifique o recebimento de cobranças com o Asaas

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.