• Home
  • |
  • Pix
  • |
  • Pix cobra taxa? Entenda quando o Pix é gratuito e em quais situações você pode ser tarifado

Pix cobra taxa? Entenda quando o Pix é gratuito e em quais situações você pode ser tarifado

Por Redação Asaas
Publicado em 25 de outubro, 2021 | Atualizado em 25 de outubro, 2021

O novo método de pagamentos desenhado pelo Banco Central em 2020 já está em funcionamento há quase um ano. Prometendo revolucionar a forma de envio e recebimento de dinheiro no país, o Pix já acumulou quase 100 milhões de usuários cadastrados.

Seu sucesso já era esperado, pois suas facilidades eram necessidades do mercado: transferências a qualquer hora do dia, todos os dias do ano, chegando ao destino em até 10 segundos. Além de tudo isso, a promessa era de gratuidade. Mas será que realmente não é cobrado nada?

Já adiantamos que não. O Pix pode cobrar taxas a depender de alguns critérios, como tipo de transação e se você é pessoa física ou jurídica.

Continue acompanhando e entenda como o Pix funciona para diminuir o custo e quando você poderá ou não ser taxado pela sua instituição.

Conteúdo

Como funciona o Pix

Afinal, como funciona o Pix? O Pix é um método de pagamento instantâneo simples, rápido, barato e seguro.

Criado pelo Banco Central, foi lançado em novembro de 2020 e seu objetivo era facilitar a vida dos brasileiros com um sistema disponível 24 horas por dia, todos os dias da semana, incluindo feriados.

Diferentemente dos métodos tradicionais, como TED e DOC, a transação é feita sem burocracia e sem custo para pessoas físicas, MEIs e EIs (na maior parte dos casos). Isso torna o serviço mais fácil e inclusivo: é possível realizar um pagamento ou receber dinheiro diretamente do aplicativo do seu banco através de uma chave Pix.

O Pix aparece nos aplicativos dos bancos e fintechs como uma nova função. Quando o cliente precisa realizar uma operação como transferência de dinheiro ou pagamento, ele pode usar o Pix como meio. E, para isso, o usuário precisa apenas da chave Pix da outra pessoa.

Chave Pix

Quando o aplicativo do banco perguntar “Para quem você quer realizar essa transferência?”, é só adicionar a chave Pix da pessoa (que nada mais é do que um código), adicionar o valor e pronto! A operação estará completa! 

A chave Pix é como um apelido para sua conta e você pode escolher entre CPF/CNPJ, e-mail, número de telefone ou gerar uma chave aleatória. Assim, você não precisará informar seus dados bancários sempre que for necessário receber uma transferência.

Para que tudo isso fosse possível, o Banco Central precisou diminuir o trajeto pelo qual o dinheiro percorria, descartando a intermediação de terceiros durante a transação.

Agora, ao realizar uma transferência, sua instituição financeira entra em contato com o Banco Central, que decodifica a chave Pix e o pagamento é encaminhado ao recebedor.

Todo o processo é criptografado para a sua segurança e em até 10 segundos o valor já está na conta do destinatário, pronto para ser usado.

QR Code Pix

QR Code é um código que pode ser lido por seu celular e também enviado via link para outro celular. Ele contém a sua chave Pix e as informações de pagamento, como o valor da cobrança.

Existem dois tipos de QR Code Pix:

QR Code Estático

Você estipula um valor fixo para ser cobrado e, sempre que você apresentar esse código, aquele mesmo valor sairá da conta da outra pessoa para a sua.

QR Code Dinâmico

Pode conter valores diferentes e mais informações como dados do recebedor. Aqui o código muda a cada transação.

Em quais situações o Pix é de graça e em quais o Pix cobra taxa?

As transações com o Pix são, em sua maioria, gratuitas para pessoa física, e é isso que o torna tão atrativo. Como comentamos anteriormente, a gratuidade ou não do Pix dependerá do seu tipo de conta e da transação que está realizando.

Para ficar mais fácil de te explicar, optamos por separar por tipo de cadastro. Acompanhe:

PF, MEI e EI

Se você for pessoa física, microempreendedor individual ou empresário individual, você não paga nada para realizar transferências, fazer pagamentos ou receber um Pix (com o objetivo de transferência de dinheiro).

No entanto, há dois casos em que você pode ser taxado. O primeiro é se você utilizar um canal de atendimento presencial (inclusive telefone) para fazer um Pix, quando estiverem disponíveis meios digitais.

O segundo caso é se você receber um Pix por causa de uma atividade comercial, como venda de produto ou prestação de serviço.

E o que o Bacen considera atividade comercial? Atente-se aos critérios:

  • Receber mais de 30 Pix por mês via chave, inserção manual ou QR code estático;
  • Receber por QR code dinâmico;
  • Receber Pix de uma pessoa jurídica;
  • Receber Pix em uma conta definida em contrato como de uso exclusivo para fins comerciais.

Como você pode ver, se você for uma pessoa física, o Pix é gratuito na maior parte das transações, especialmente se estiver apenas realizando pagamentos e transferências.

PJ

Se você for uma pessoa jurídica (exceto MEI e EI, como explicamos anteriormente), você pode ser taxado tanto no envio como no recebimento de Pix.

No caso de PJ, o valor pode ser cobrado tanto em operações com finalidade de transferência, como em operações com finalidade de compra (atividade comercial).

Ou seja, você pode ser taxado se:

  • Realizar pagamentos e transferências via chave ou inserção manual;
  • Receber um Pix de uma pessoa física;
  • Receber um Pix de uma pessoa jurídica via QR code estático ou dinâmico.

Independente da modalidade, fica a critério da instituição financeira decidir se vai cobrar, qual a forma de cobrança e seus valores. 

Dependendo da instituição, o Pix pode cobrar uma taxa mínima fixa ou um percentual sobre o valor da compra. No Asaas, por exemplo, existem muitas transações gratuitas, mas, quando cobramos, é uma taxa fixa, sem surpresas para os nossos clientes.

Caso seja tarifado, é obrigatório que a instituição informe aos clientes os valores praticados nos seguintes meios:

  • Comprovantes de envio e recebimento do Pix;
  • Extratos das contas de depósitos e de pagamento;
  • Canais online do banco ou fintech.

Por que o Pix é mais barato

Provavelmente você já deve ter visto em vários lugares ou ouvido falar que o Pix é muito mais barato, ou até gratuito. Todos os benefícios são muito atrativos e é normal ficar com uma pulga atrás da orelha.

Afinal, por que o Pix é mais barato? A resposta não é tão complicada quanto parece.

Ao descartar intermediários em uma transação e automatizar o processo, o custo acaba caindo drasticamente.

Além disso, o Bacen mirou na inclusão financeira para todos. Dessa forma, o dinheiro circula mais, sem burocracias.

Pix é obrigatório agora? 

O Pix não é obrigatório. Boletos, TED e DOC ainda continuam a funcionar e quem ainda não se sente confortável com o Pix pode continuar usando os outros métodos. 

Porém, vale a pena conhecer mais sobre o Pix e, ao menos, testar o método,  porque realmente é mais econômico, muito mais rápido e pode vir a ser o método principal de transferências e pagamentos, já que seu uso só cresce desde o lançamento. 

Taxa do Pix no Asaas

Você também pode fazer transações via Pix com o Asaas! Receba pagamentos em tempo real, a qualquer momento e de qualquer lugar, por apenas R$ 0,99 por cobrança recebida.

Com o Asaas, você gera o Pix do seu jeito, facilitando a vida do seu cliente. Confira algumas das vantagens:

  • Disponível 24h por dia, 7 dias na semana;
  • Cálculo automático de juros, multas e descontos;
  • Sem taxa de emissão ou cancelamento;
  • Fácil, rápido e seguro.

Aqui você gera a sua cobrança e o Asaas envia a fatura automaticamente para seu cliente.

Após o pagamento, via QR Code, seu dinheiro estará disponível em poucos segundos!

Conseguimos esclarecer suas dúvidas quanto às tarifas do Pix? Continue acompanhando nosso blog para mais conteúdos relacionados ao Pix e ao universo financeiro!

Simplifique o recebimento de cobranças com o Asaas