Precificação: 5 dicas para calcular o preço de seus produtos e serviços

Por Marcelo Vital
Publicado em 26 de novembro, 2021 | Atualizado em 17 de fevereiro, 2022

Quando o assunto é a sobrevivência de um negócio, a precificação é fundamental, afinal, é por meio dela que a empresa consegue planejar os custos fixos e variáveis, além de manter o capital de giro em alta.

A precificação correta contribui com o lucro e com a constância nas compras, já que os compradores são sensíveis quando o assunto é a oscilação. Porém, chegar ao número ideal pode ser um desafio. 

Isso porque diversos empreendedores ainda fazem essa conta levando em consideração apenas o que foi gasto para comprar a mercadoria, sem acrescentar todas as despesas que envolvem o processo de vendas. 

Sendo assim, sem a quantia ideal, diversos problemas podem surgir, incluindo a falta de verba para pagar as dívidas e a dificuldade de realizar novos investimentos. Ao definir a precificação, é necessário levar em consideração o custo, o valor da marca, o preço da concorrência e qual é o perfil do público que consome. 

Quer saber mais sobre como definir a precificação correta? Então confira o conteúdo completo e veja algumas dicas. 

Conteúdo

A importância da precificação para qualquer negócio

Já foi possível perceber a importância de encontrar o equilíbrio entre o quanto a empresa deve lucrar e o preço justo do serviço ou item, não é mesmo?

Porém, vale ressaltar que essa relação deve ser acompanhada de perto, evitando prejuízos para o negócio e até mesmo o distanciamento do cliente. Ao decidir o preço que será cobrado, é preciso levar em consideração diversos aspectos internos e externos. 

Conhecer o mercado, compreender os gostos do consumidor, o ticket médio e saber destacar as características da mercadoria são alguns quesitos no processo de precificação.

5 dicas para uma precificação adequada e eficiente

Para te ajudar nessa etapa, separamos uma lista com cinco dicas. Confira:

1. Entenda a diferença entre preço e valor

Pode parecer um pouco batido, mas muitos empreendedores ainda não compreenderam a diferença entre preço e valor. 

Quando falamos sobre preço de venda, o foco fica com o custo de algo, ou seja, quanto alguém está disposto a pagar. Por outro lado, o valor está relacionado às vantagens que esse item pode oferecer, benefícios que vão além do dinheiro. 

É fundamental que você saiba essa diferença para não se confundir no momento de definir cada um deles. Como a existência de um não anula a do outro, é interessante que a empresa tenha a definição correta, compreendendo a importância para a precificação.

2. Agregue valor ao produto

Quando falamos de agregar valor, o objetivo é demonstrar para o cliente que a sua mercadoria ou solução é capaz de oferecer todas as funcionalidades que ele busca. 

Para isso, é necessário compreender o que o consumidor deseja, demonstrando que o item será capaz de corresponder a todas as expectativas. Além de conquistar a confiança do indivíduo, essa é a melhor maneira de criar uma relação duradoura entre a empresa e o público. 

Lembre-se: a percepção de preço está ligada com o valor que o produto ou serviço será capaz de oferecer. A apresentação e a forma de venda serão capazes de despertar a curiosidade. Se você souber demonstrar as vantagens, será mais fácil agregar valor, sabendo exatamente o que a pessoa busca e o que o seu negócio está oferecendo.

Estar atento para a forma como a concorrência divulga os produtos também é uma boa estratégia para conferir o que está faltando no mercado. 

3. Conheça os custos da empresa

Não conhecer os custos do negócio como um todo é um erro crucial para a precificação! A dica é analisar todas as etapas do processo de produção e venda, verificando as quantias gastas. Só assim será possível avaliar o investimento que está sendo feito para disponibilizar uma mercadoria. 

Com esse número em mão, o próximo passo é realizar a gestão de preço, avaliando a quantia justa para o consumidor, sem deixar de contabilizar o valor agregado, os diferenciais do seu produto e as funcionalidades disponíveis. 

Além de contribuir com a precificação, essa também é uma forma de verificar quais etapas estão com o preço elevado e as  economias que podem ser feitas, contribuindo com o fluxo de caixa.

Deseja saber mais sobre o assunto? Então leia o conteúdo sobre gestão financeira: tudo o que você precisa saber sobre o assunto.

4. Considere o valor dos impostos

Todo empreendedor brasileiro sabe que as taxas fazem parte da produção e distribuição de uma mercadoria ou até mesmo da prestação de serviço. 

Porém, o que vai decidir a quantia que deve ser paga é a escolha do regime tributário, isso porque as alíquotas e cálculos podem variar de acordo com a forma de trabalho e até mesmo com o item que será oferecido, determinado os impostos e tributos. 

Então, para manter as obrigações fiscais em dia, é necessário estar atento ao formato de tributação. Confira algumas opções: 

Simples Nacional

Aprovado após a Lei Complementar 123/06, o pagamento é feito em guia única, facilitando o gerenciamento da contabilidade. Nesse caso, os pagamentos seguem a tabela progressiva, ou seja, quanto mais a empresa lucrar maior será o imposto. 

Lucro real

Disponível para empresas com faturamento acima de R$ 78 milhões, essa opção tem o imposto calculado a partir dos lucros do negócio, variando de acordo com o crescimento ou queda. 

Lucro presumido

Tributação fixa, contabilizando percentuais sobre as alíquotas, variando entre 0,65% e 32%. 

Sendo assim, é fundamental conhecer o regime tributário e como os impostos podem impactar na precificação. 

Quer conferir mais sobre os tipos de empreendimentos? Então acesse o empreendedorismo: o guia completo para quem quer abrir seu próprio negócio.

5. Faça um estudo de mercado 

Tão importante quanto as demais dicas, muitos empreendedores acabam deixando de lado o estudo de mercado na hora da precificação. 

É válido mencionar que o objetivo do mecanismo é ter um panorama dos concorrentes e itens que já estão disponíveis no mercado, compreendendo o público que consome, quais são os desejos e até mesmo a quantia que estão dispostos a pagar. 

Quando essa avaliação é feita da forma correta, em muitos casos, é possível perceber o que a sua empresa pode fazer para atingir um diferencial e conquistar mais consumidores. 

Por oferecer a análise dos concorrentes e dos consumidores, o estudo de mercado pode contribuir com uma precificação justa, levando em consideração quanto o seu cliente está disposto a pagar. 

É importante levar em consideração o poder de compra, afinal, se a sua mercadoria ou serviço estiver acima dos preços dos concorrentes, muitos podem deixar de consumir. 

Deseja conferir mais dicas de negócios? Então aproveite para conhecer o Asaas Talks! Com bate-papo descontraído, o objetivo é falar sobre tecnologia e empreendedorismo.

No Asaas você tem vendas por link de pagamento