Conheça os 15 principais Indicadores de desempenho financeiro para empresas

por Gestão Financeira

Publicado em 19 de fevereiro, 2019 | Atualizado em 14 de agosto, 2023

Administrar um negócio exige muita disciplina e grande capacidade de organização financeira. Como empreendedor, é importante desenvolver essa característica e entender como pode capacitar e delegar funções importantes para outros membros da equipe.

Da mesma forma, é fundamental entender como acompanhar os resultados da sua empresa, mesmo sem estar diretamente envolvido em todas as atividades realizadas dentro do negócio.

Para isso, existem indicadores de desempenho financeiro que permitem entender quais rumos sua empresa está tomando, em quais áreas é necessário realizar melhores investimentos e onde seu negócio está obtendo sucesso.

Neste artigo, separamos alguns dos principais indicadores financeiros que podem ajudar a compreender melhor o desempenho do seu negócio e ajudar sua empresa a continuar crescendo. Continue lendo!

O que são indicadores de desempenho financeiro?

Os indicadores de desempenho financeiro também são conhecidos como KPI (o inglês Key Performance Indicators). Essas chaves de desempenho são métricas que podem ser utilizadas como referência para acompanhar o comportamento das finanças do seu negócio.

Ou seja, elas são fundamentais para entender os resultados do seu negócio e podem ser o direcional para indicar um caminho próspero e desenvolvimento de metas assertivas.

Cada métrica pode apresentar um diferente ângulo de como suas finanças empresariais estão seguindo, permitindo mais objetividade para realizar tomadas de decisão.

Qual a importância de usar indicadores na empresa?

Uma vez que os indicadores financeiros estão bem definidos e fazem parte do seu plano de negócios, você passa a ter mais acesso a informação para gerenciar sua organização.

Esse conhecimento permite que sejam estabelecidas estratégias, metas e objetivos que podem ser determinantes para evitar crises internas, manter a empresa competitiva e focar na alta performance do negócio.

Com esses indicadores você e seu time de gestão podem tomar decisões mais eficientes, focando na resolução de problemas que sua organização enfrenta. Seja para cortar gastos ou definir uma área para aumentar os investimentos, estratégias de marketing, controle de estoque etc.

Todo o negócio se beneficia com mais informações trazidas pela análise dos indicadores de desempenho.

Quais são as categorias dos principais indicadores financeiros?

Para entender melhor como funcionam os indicadores financeiros, vale explicar que essas métricas podem ser distribuídas em algumas categorias. 

Esse processo acontece para que as informações adquiridas possam ser analisadas em conjuntos, cruzando dados e oferecendo uma visão ampla sobre os desempenhos da empresa.

Confira quais são as principais categorias dos indicadores e como cada uma se aplica ao seu negócio:

  • Indicadores de Liquidez Corrente: Essas categorias incluem métricas que medem a capacidade de cumprir suas obrigações financeiras a curto prazo.
  • Indicadores de Estrutura de Capital e Endividamento: medem o nível de dívida a longo prazo da empresa e o esforço utilizado para gerar lucro.
  • Indicadores de Lucratividade e Rentabilidade: mensuração do lucro da empresa em relação ao patrimônio líquido adquirido.
  • Indicadores de Valor de Mercado: mede o valor da empresa em função do preço das suas ações no mercado.
  • Indicadores de Atividade: mede o período de conversão dos leads e prospecções clientes em vendas ou entradas e saídas de caixa.

15 principais indicadores de desempenho financeiro

Agora que você conhece quais são as categorias dessas métricas, pode conhecer quais são os principais indicadores financeiros e como eles são aplicados dentro do seu negócio. Confira:

1. Faturamento

O faturamento é uma das principais métricas observadas dentre os indicadores financeiros. 

Ele é a soma de todos os valores conquistados com vendas de produtos ou serviços em um determinado período (mensal ou anual). Ou seja, ele é todo o valor que deve entrar no seu caixa empresarial.

Por meio dele é possível entender se o negócio está gerando fluxo de caixa com liquidez para cobrir custos e resultar em lucro para a empresa.

Vale ressaltar que existem dois tipos de faturamento: bruto e líquido. O bruto representa o preço de venda em relação a quantidade de produtos vendidos. Já o líquido considera os valores do faturamento bruto, subtraindo deduções de vendas e impostos.

A partir deles é possível ter uma visão geral sobre o desempenho financeiro da sua empresa, entender se o planejamento estratégico está levando a lucro ou prejuízo.

2. Ebitda

A Ebitda é a sigla para “Earning before interest, taxes, depreciation and amortization”. Esse termo enorme pode ser traduzido como “lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização”.

Ou seja, é uma métrica para diversas avaliações financeiras, especialmente para empresas de capital aberto, podendo revelar informações sobre o desempenho operacional do negócio.

Se o cálculo do Ebitda for positivo, mesmo se a empresa tiver prejuízo de faturamento, ela ainda pode estar gerando valor.

3. Margem de lucros líquida

A margem de lucro líquido representa o cálculo quantitativo do lucro – ou mesmo prejuízo – gerado pela sua empresa durante o período analisado. Esse cálculo é semelhante ao de faturamento líquido.

Ele considera tudo aquilo que entrou para caixa a partir de vendas, serviços prestados etc. e desconta todos os custos operacionais. Porém, apesar da sua importância, a margem de lucro líquida não deve ser o único fator considerado para analisar sua empresa.

4. Retorno sobre capital investido

Conhecida como ROI, essa métrica é uma das mais populares, utilizadas por empresas de diversos segmentos. Ele representa o retorno dos valores investidos para o funcionamento da empresa.

É um indicador útil especialmente para os investidores da organização possam ter uma visão sobre o funcionamento do negócio e sua capacidade de lucratividade

O ROI é calculado subtraindo o ganho obtido com o investimento pelo próprio valor investido. Qualquer número positivo já considerado um bom resultado, enquanto resultados abaixo de 0 podem demonstrar perda de investimento.

5. Custos fixos

Os custos fixos representam as despesas não variáveis conforme o volume de produção – como aluguel, salários do time administrativo etc. Eles também são chamados de “custos estruturais” e também independem do nível da atividade empresarial.

6. Custos variáveis

Por outro lado, custos variáveis são despesas diretamente relacionadas com a produtividade e mudam conforme o negócio cresce ou diminui em atividade. 

Matérias-primas, comissões de vendas, conta de energia etc. Quanto mais funcionários estiverem trabalhando no seu time de vendas, por exemplo, tende a aumentar seu custo nesse setor.

7. Ticket médio

O ticket médio representa a média de consumo que um cliente gastou em produtos ou serviços da sua empresa. Assim, o cálculo do ticket médio é importante para comparações com os investimentos em atração dos clientes.

É importante que o custo de aquisição não seja superior ao ticket médio que os clientes possuem na sua empresa.

8. Nível de endividamento

O nível de endividamento é calculado no balanço patrimonial da empresa, e representa as obrigações futuras da empresa e pode ser utilizado para avaliar sua capacidade em honrar compromissos.

O nível de endividamento é calculado pela divisão do total de passivos pelo total de ativos, multiplicado por 100.

9. Ponto de equilíbrio

O ponto de equilíbrio também é chamado de “break even” e representa o momento em que a empresa atinge o faturamento mínimo de receita para cobrir os custos operacionais do negócio.

Ele demonstra que a empresa, embora ainda não esteja lucrando, também não oferece mais prejuízos.

10. Valor Econômico Agregado

Também chamado de “Valor Econômico Adicionado” ou EVA, esse indicador é muito acompanhado pelos acionistas das empresas. Eles usam essa métrica para avaliar a saúde financeira do negócio.

Esse valor revela se o investimento está gerando ganhos reais para quem assumiu riscos e investiu dentro da empresa. É também calculado como o lucro operacional, subtraído da multiplicação do custo de oportunidade do capital total.

11. Giro de estoque

Conforme o nome indicado, o giro de estoque demonstra a performance do estoque total da empresa. Ou seja, quanto tempo um produto em estoque demora para se esgotar.

Esse valor é fundamental para conhecer quais são os produtos carro-chefe da sua empresa, assim como aqueles que não possuem alta demanda. 

Esse valor não só ajuda a controlar o estoque, como proporciona estratégias de vendas e marketing – como criar combos de produtos, descontos etc.

12. Liquidez corrente

A liquidez corrente é um indicador financeiro que mostra a capacidade da empresa em quitar todas as suas dívidas a curto prazo (menos que 12 meses).

Na prática, essa métrica é a relação entre os valores de entrada e saída do caixa. Sua fórmula é:

  • Liquidez corrente = ativo circulante ÷ passivo circulante.

Vale lembrar que ativos circulantes são todos os ativos, bens e direitos que uma empresa pode transformar em dinheiro de forma imediata. Incluindo também tudo aquilo que a empresa possui em caixa.

Já os passivos circulantes são todos os débitos, dívidas e juros de curto prazo que precisam ser pagos pela organização.

13. Margem de contribuição

A margem de contribuição indica o que resta da receita das vendas, menos os custos e despesas variáveis. Sendo destinado ao pagamento das despesas fixas da empresa.

Ele permite que você identifique qual é a lucratividade do negócio, bem como é essencial na etapa de precificação dos produtos ou serviços.

14. Rentabilidade

A rentabilidade é um dos indicadores mais comuns na gestão financeira. Ele trata da capacidade empresarial de produzir rendimentos e entregar retornos.

O cálculo é referente ao lucro dividido pelo valor investido. Além disso, existem diferentes tipos de rentabilidade. Elas são:

  • Rentabilidade nominal: valor bruto gerado pelo negócio durante um período específico, sem dedução de taxas e impostos.
  • Rentabilidade líquida: rendimento considerando os descontos das taxas e impostos devidos pela empresa.
  • Rentabilidade real: considera a variação da inflação. Se for maior que o índice do período, a rentabilidade é considerada boa.

15. Lucratividade

Por fim, a rentabilidade representa o principal indicador de desempenho financeiro durante a gestão do negócio. Ela demonstra o valor percentual da capacidade da sua empresa de gerar ganhos sobre o trabalho e atividades desenvolvidas.

É uma medida percentual, resultando da relação entre valores de lucro líquido e valores das vendas. Sua fórmula é:

  • Lucratividade = (Lucro Líquido ÷ Receita Total) x 100

Como escolher quais indicadores de desempenho financeiro acompanhar?

Todos os indicadores de desempenho financeiro podem ser úteis para seu negócio. Porém, é fundamental que você defina quais deles são essenciais para serem acompanhados e possam trazer os insumos mais valiosos para sua empresa.

Alguns como margem de lucro, faturamento, ROI e giro de estoque são alguns dos mais importantes. Porém, é importante que seu time financeiro crie estratégias para acompanhar esses indicadores, cruzar os dados obtidos e fornecer relatórios que mostram a progressão dos resultados.

Como monitorar os indicadores na empresa?

Como mostramos, os indicadores de desempenho financeiro são relevantes e podem ser úteis para ajudar na avaliação do seu negócio, permitindo que você tome decisões baseadas em dados.

Com sistemas automatizados e plataformas de gestão financeira, hoje é possível monitorar todo o andamento dessas métricas a partir de ferramentas práticas e seguras.

Isso permite mais autonomia para seu time financeiro, que ganha tempo ao trabalhar com essas demandas, além de serem mais assertivos durante suas análises.

Como estabelecer metas com base nos indicadores?

Para além da construção de indicadores financeiros, sua empresa precisa definir suas metas a partir dessas métricas. Afinal, o objetivo do acompanhamento desses indicadores, é entender por quais caminhos seu negócio deve seguir.

Por isso, também é importante considerar algumas outras ferramentas para empreendedores, que podem ajudar a entender o posicionamento do negócio do mercado e ajudar no estabelecimento de metas.

Índices de Risco Financeiro e Viabilidade de Projetos

Como o próprio nome já diz, os índices de risco financeiro e viabilidade de projetos são indicadores que envolvem uma série de estudos sobre o mercado. Ele tem o objetivo de avaliar se os investimentos feitos nas atividades da empresa são viáveis ou não, além da capacidade de manter uma boa gestão fiscal.

Essa análise permite à sua empresa entender se as atividades propostas para o negócio terão sucesso. Portanto, essas análises devem ser executadas antes de qualquer projeto.

Como melhorar a gestão dos indicadores financeiros da empresa?

Existem muitas ferramentas que podem ser utilizadas para melhorar os indicadores financeiros da sua empresa. O objetivo do uso de ferramentas é manter o monitoramento de indicadores mais organizado, simples e direto.

Além disso, não apenas é importante entender quais são as principais métricas a serem observadas, como também é fundamental poder repassar esses dados com clareza e objetividade – mantendo uma gestão centralizada.

Os dados precisam ser colhidos, processados, cruzados e apresentados através de relatórios que possam ser compartilhados com todos os setores interessados dentro da empresa, assim como potenciais investidores externos. 

Por isso, confira as melhores ferramentas para a gestão dos seus indicadores:

Planilhas para controlar indicadores

As planilhas são opções muito populares para gestão dos indicadores financeiros. Através de ferramentas como Excel ou Google Sheets é possível criar modelos de planilhas e dashboards que permitem acompanhar todo o andamento dos indicadores financeiros.

Além disso, também é possível utilizar os dashboards para realizar apresentações – especialmente ao passar os dados para outras ferramentas voltadas para apresentação. 

Porém, as planilhas demandam bastante esforço manual para sua criação e possuem limitações. Além disso, por funcionarem através de fórmulas, muitas vezes ocorrem erros que demandam tempo para serem corridos.

Sistemas de gestão financeira

Uma opção melhor que as planilhas, são os sistemas de gestão financeira. Além de possuírem interfaces mais intuitivas, as plataformas de gestão costumam ser especializadas no acompanhamento dos processos financeiros empresariais.

Por isso, as plataformas ERP, por exemplo, ajudam a gerenciar as movimentações financeiras do seu negócio, além de possuírem outras funções como organização das contas a pagar e receber, assim como o controle do fluxo de caixa da empresa.

Por isso, conheça tudo sobre o melhor sistema de gestão financeira e empresarial disponível no mercado. Melhore seus indicadores financeiros e atinja suas metas!

Simplifique o recebimento de cobranças com o Asaas

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.