Tudo que você precisa saber sobre sistema ERP

Por Hugo Stephan
Publicado em 5 de dezembro, 2017 | Atualizado em 8 de setembro, 2022

Você sabe qual  a importância de um sistema ERP para sua empresa? É possível que você nunca tenha parado para fazer o cálculo, mas as atividades de gestão em uma empresa consomem um número grande de horas.

Tente mensurar: quantas horas do seu dia são consumidas por processos de gestão administrativa da empresa? Quantas horas da sua jornada de trabalho são gastas em atividades manuais, que poderiam ser automatizadas?

A tecnologia traz soluções para otimizar os processos analógicos e garantir o melhor aproveitamento do tempo e das informações que uma empresa precisa gerenciar diariamente.

Uma grande vantagem na implantação de um sistema ERP é a possibilidade de investir o tempo em tarefas estratégicas, em vez de focar nas operacionais.

Entre as soluções tecnológicas mais eficientes, está o sistema ERP. A plataforma é uma saída moderna para gerenciar dados empresariais.

Atividades que antes levavam horas, passam a ser executadas em questão de minutos. A tecnologia do sistema elimina a necessidade de consultar diversas planilhas e ainda permite alinhar todas as informações em uma só plataforma.

Conteúdo

O que é um sistema ERP?

Em tradução literal, o nome dado ao sistema quer dizer “Planejamento dos recursos da empresa”.

Ou seja, o sistema ERP é um software desenvolvido para integrar múltiplos departamentos de uma empresa, possibilitando um fluxo único de informações, contínuo e resistente.

O ERP possui diversos módulos, integrados entre si em uma base única, porém, não redundante. Cada um desses módulos abrange um setor da empresa e a integração permite que a gestão entenda os processos relacionados à operacionalidade da empresa. 

Isso dá respaldo para as tomadas de decisão em todas as áreas da empresa, cooperando para a quebra das barreiras criadas pelo modelo de estruturas departamentais.

Qual é a importância do Sistema ERP para empresas?

A cada dia que passa, a tecnologia conquista mais espaço dentro das empresas — e tem se tornado difícil imaginar uma organização bem colocada no mercado que não conte com o apoio de ferramentas  de TI (tecnologia da informação).

Além de melhorar os processos empresariais e levar a marca para mais perto de seus clientes, os recursos digitais agora são também vistos como diferenciais competitivos. O consumidor está de olho nas empresas que contam com automação.

Controle facilitado e autonomia

Os computadores, à medida que se tornam mais complexos e também mais comuns nas organizações, permitem integrar todas as informações e os módulos de processamento em uma única plataforma.

O acesso ao controle é facilitado e, com isso, a empresa ganha mais autonomia no controle dos processos.

Isso porque o sistema ERP (Enterprise Resource Planning) tem por princípio utilizar a mesma base de dados para todos os setores da empresa, armazenando nela todo tipo de elemento.

Impacto no crescimento da empresa

O IDG Research Services realizou um estudo sobre a eficácia de dados em empresas que usam ERP.

A pesquisa teve como foco avaliar como o investimento em sistemas ERP pode influenciar nos resultados de uma empresa, considerando acessibilidade, usabilidade, inteligência e qualidade relacionados à manipulação de dados.

A pesquisa entrevistou 300 empresas de médio porte e revelou que as instituições que usam um sistema ERP e operam em alta performance chegam a 35% de crescimento anual.

Além disso, o estudo mostrou que uma melhora na inteligência de dados pode levar a empresa a ter um aumento anual de até 2,2% na receita.

Como funciona um sistema ERP?

Quantos sistemas, planilhas, softwares e aplicações a sua organização utiliza todos os dias para fazer o controle dos estoques, vendas, contas a pagar e a receber, contabilidade e gestão de pessoas?

Em algumas empresas, a realidade é a falta de um sistema integrado de gerenciamento de dados, possibilitando que cada departamento empregue a solução que julgar mais apropriada.

O grande transtorno causado pela multiplicidade de sistemas é que isso prejudica a gestão de processos e a tomada de decisões.

Por exemplo, se a equipe que coordena o estoque não consegue realizar a previsão de vendas, pode comprar itens que ficarão encalhados ou que serão insuficientes para atender a demanda que chega para a área de vendas.

Por outro lado, quando a empresa utiliza o sistema ERP, o software integra todas as áreas e diminui esses erros administrativos.

Sendo assim, percebe-se que ter uma visão de 360º é a necessidade das empresas modernas — e essa é a principal característica do sistema ERP.

O Enterprise Resource Planning funciona a partir da integração de todos os setores da empresa.

Ou seja, em vez de cada sistema informático agir de maneira independente, ficam todos reunidos na mesma plataforma, em uma harmonia incomum para os softwares mais arcaicos.

Com essa solução, representação comercial, e-commerce, vendas internas e externas e estoque são facilmente assimilados. Toda vez que há uma movimentação na empresa, seja essa uma entrada ou saída, ela é registrada.

Isso facilita o controle e permite que os gestores se organizem para enfrentar gargalos em seus processos ou deem continuidade àqueles processos que estão tendo sucesso.

Porque implementar um sistema ERP?

Cada vez mais, empresas modernizam sua gestão por meio da adesão de softwares.

Essa, que pode parecer uma mudança modesta, é, na verdade, um movimento importante diante das novas exigências do mercado — e um indicador de que as empresas estão fazendo investimento em inteligência de planejamento, operação e gestão.

O FGVcia, Centro de Tecnologia de Informação Aplicada da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP), divulgou uma pesquisa sobre o mercado brasileiro de TI e o uso nas empresas, mostrando que o investimento das empresas em TI foi de 8% do faturamento em 2020, valor similar que o setor tem no PIB brasileiro.

A pesquisa mostrou ainda que o custo anual de TI por usuários atingiu o valor de R$ 52.000, apontando que não há economia de escala nos custos, que cresce ainda mais de acordo com o tamanho da empresa.

No entanto, a demanda é diversificada e há empresas de todo porte, maturidade e abrangência que buscam se automatizar, como:

  • companhias iniciantes, as chamadas startups;
  • empresas que já consolidaram suas filiais físicas e agora investem na venda online como possibilidade de expansão de seu mercado consumidor;
  • e-commerces que se expandem para o plano físico;
  • empresas que têm falhas de crescimento em determinado canal.

Portanto, há todo tipo de empresa interessada em modernizar seus processos.

Quando analisamos as múltiplas empresas nesses cenários variados e consideramos a aplicação do sistema ERP nessas companhias, encontramos dois cenários.

Por um lado, aquelas que aplicam os softwares de gestão como suporte para suas estratégias de planejamento e gerência conseguem amadurecer mais rápido e alcançar objetivos mais consistentes.

Em contrapartida, quando observamos as empresas que utilizam as plataformas de ERP legadas, é possível perceber que essas companhias engessam seu crescimento.

Assim, elas acabam se tornando reféns de processos obsoletos, tendo dificuldades para elevar seu potencial.

Quando implementar um sistema ERP na empresa?

O sistema ERP serve para dar uma visão total da empresa e agregar os muitos processos em um só lugar.

Todos os canais da empresa, além de suas transações e atividades, ficam registrados na mesma plataforma, facilitando eventuais consultas e permitindo uma análise completa da saúde empresarial.

Para empresas que estão focadas em automatização e possuem controle administrativo como uma característica do negócio, o sistema ERP é a escolha ideal.

Essa plataforma é perfeita para quem quer visualizar a companhia de forma panorâmica, conectar setores e elevar o potencial tecnológico da organização.

Mas antes de simplesmente adotar um sistema ERP, é preciso considerar que, quando a empresa não possui pessoal especializado no administrativo, as múltiplas funções do ERP podem acabar inutilizadas.

Profissionais autônomos, por exemplo, não costumam demandar esse tipo de tecnologia em seus negócios. Mas vale pensar em ferramentas digitais para microempreendedor individual.

Quais são as vantagens do sistema ERP?

Vem aumentando o percentual de empresas que adotam sistemas ERP em seus modelos de gestão empresarial, como um reflexo à demanda por modernização e acompanhamento da evolução do mercado — além de uma resposta a uma concorrência mais e mais agressiva.

Já pensou por que tantas empresas estão apostando nessa ferramenta de gestão? É claro que há uma série de vantagens que levam as organizações a investir na modernização de suas plataformas gerenciais.

A seguir, listamos os principais benefícios de adotar um sistema ERP e que têm sido alcançados por empresas de todos os portes. Confira o que é possível obter com um software de gestão integrada para apoiar a sua empresa.

1. Completa integração de todas as áreas da empresa

Já parou para pensar quantas ferramentas sua empresa integra para dar conta de todas as obrigações diárias?

Chegam a ser dezenas de aplicativos, programas, planilhas e plataformas para conseguir organizar os processos empresariais.

Como controlar todo o estoque, vendas, contas, realizar a contabilidade e ainda gerir pessoas se seus sistemas estão desconectados?

Algumas organizações de fato não apostam em um sistema integrado e, assim, a gestão e a tomada de decisão acabam defasadas.

Outro ponto positivo de integrar as informações é que o sistema ERP diminui drasticamente os erros administrativos.

Isso porque garante que os funcionários de qualquer departamento possam avaliar as informações dispensadas na plataforma e organizar melhor seu trabalho diário a partir dos dados armazenados no sistema.

2. Visão consolidada dos canais de vendas

Uma empresa moderna não é refém de filiais físicas, bem como não precisa vender apenas pela internet.

As possibilidades são muitas: pontos de vendas, e-commerce, marketplaces, vendedores internos, vendedores externos e representação comercial são somente alguns dos canais pelos quais uma empresa pode levar seus serviços aos potenciais clientes.

Contudo, atuar em múltiplos canais traz consigo desafios, como atender a uma demanda de produtos em quantidades acima daquela disponível no estoque ou ter dificuldades para conseguir reposições ao que falta no estoque.

Quando uma empresa utiliza um ERP integrando todos os seus canais de vendas, esse problema não é mais realidade dentro da companhia.

Assim, sempre que uma venda se concretiza, a plataforma é atualizada para todos os canais e vendedores. A quantidade disponível em estoque está sempre visível para os colaboradores na interface do software.

É possível ainda criar alertas para quando os níveis de estoque estiverem próximos ao ponto de ruptura.

3. Atualização do uso do capital de giro

Um software de gestão integrada permite controle total e domínio da gestão de estoque, permitindo que a empresa conheça cada nível necessário para que suas operações do dia a dia se desenvolvam sem a presença de gargalos.

Com esse domínio da gestão, a quantidade de capital de giro despendida na manutenção de itens em estoque é reduzida, e a segurança do gestor e dos colaboradores nos processos diários aumenta.

Isso contribui para um ambiente corporativo mais agradável e operações confiáveis.

A plataforma possibilita ainda uma observação detalhada das finanças por meio da observação das despesas pagas, entradas e saídas, recebimentos, monitoramento dos pagamentos a serem quitados e visão do retorno sobre investimento.

4. Redução no retrabalho

Os processos manuais são grandes geradores de falha, e muito afetados pelo fator humano. Além disso, um tempo precioso é consumido em tarefas como repassar e-mails e classificar dados em sistemas.

Um sistema ERP consegue uma redução significativa desse retrabalho. Com o software, por exemplo, os dados inseridos por vendedores na hora em que um pedido é feito vão diretamente para a equipe administrativa, que emite os boletos.

Em seguida, o estoque é notificado e separa o produto vendido ao cliente etc.

5. Gestão de pessoas

Quando a tecnologia é ultrapassada, cada colaborador pode gastar horas em tarefas administrativas que não agregam valor significativo à relação da companhia com sua clientela.

O grande problema disso é que, realizando tarefas com pouco significado, os colaboradores da empresa se desmotivam. 

Quando se implementa um ERP e o foco é dado ao desempenho de funções estratégicas, os colaboradores se sentem mais valorizados em seus departamentos, potencializando sua satisfação.

6. Respaldo para tomadas de decisão

Quando são utilizados diversos bancos de dados, múltiplos softwares ou planilhas, fica complicado determinar quais áreas merecem mais ou menos investimentos, quais custos podem ser diminuídos e determinar causas para os transtornos empresariais.

Com um bom sistema de gestão (ERP), é possível visualizar em gráficos as principais informações de uma empresa, permitindo observar indicadores de desempenho e até monitorá-los de forma automática.

Quais são os sistemas ERP disponíveis no mercado?

Hoje, os softwares disponíveis no grande mercado são formados por uma estrutura básica moldada, cada um com suas particularidades.

Ou seja, é possível personalizar o sistema de acordo com as necessidades da empresa.

O custo e a rapidez dessas customizações cria um cenário competitivo entre as desenvolvedoras de softwares, colocando à venda plataformas diferenciadas e bem adaptadas às especificidades das empresas-clientes.

Essa moderna proposta em software controla toda uma empresa, gravando, processando e unificando informações.

Qualquer processo passa a ser registrado de maneira segura e contabilizada na plataforma, otimizando as regras de negócio e até facilitando o controle sobre pontos vulneráveis da organização.

Com os ERP hoje encontrados no mercado, é possível administrar melhor os custos e fazer um profundo controle fiscal e de estoque.

A adoção de um sistema do tipo elimina a necessidade, até então frequente nas organizações, de utilizar diversos programas isolados, dotados de informações redundantes e, muitas vezes, não confiáveis.

Quais são os tipos de sistema ERP?

Vale se atentar aos tipos de ERP. Conheça as diferenças entre eles e saiba mais sobre as vantagens e as desvantagens de cada um. A gente te explica mais!

Sistema ERP legado

O ERP legado é aquela plataforma constituída com tecnologias arcaicas e que não atravessou evoluções que permitam monitorar o crescimento da organização.

De maneira geral, as limitações desse sistema que impedem o crescimento da empresa são:

Tecnologias ultrapassadas

Os sistemas utilizam tecnologias ultrapassadas, que têm manutenção mais complexa. Há ERPs que fazem uso de linguagens de programação que não estão mais no mercado.

Ou seja, utilizar um software legado pode gerar dor de cabeça e, além de o programa não ter o melhor desempenho, uma manutenção pode se tornar um grande transtorno.

Suporte complicado

São softwares de suporte complicado, porque é raro encontrar profissionais no mercado com conhecimento para realizar uma manutenção.

Com isso, a empresa pode acabar obrigada a contratar profissionais de alto custo.

Falta de planejamento

São sistemas que não foram adequadamente planejados para suportar a expansão das empresas.

Além disso, um ERP legado não oferece funcionalidades simples, como uma plataforma de e-commerce integrada ao software.

Falta inteligência na gestão dos processos, que ficam presos a antigas parametrizações, dificultando a fluidez dos negócios.

Funcionalidades para medir e reagir diante das situações problemáticas também são inexistentes.

Nesse caso, como as informações são mal integradas nesse tipo de plataforma, perde-se a principal funcionalidade do ERP.

ERP engessado

O ERP engessado é um sistema com poucos recursos e poucas funcionalidades, que em alguns casos pode ser indicado para empresas que não precisam de integração ou não pretendem expandir seus negócios. 

Ao contratar esses sistemas, o que muitas empresas não consideram é que, a longo prazo, com a evolução da empresa, serão necessários recursos e funções que não são contemplados por esses softwares.

Quando ocorre isso, a empresa tem duas opções:

Criar controles paralelos, que é o caminho mais comum. Há inúmeras empresas que, além de seu ERP limitado, utilizam outros recursos tecnológicos, como as planilhas eletrônicas.

No entanto, perde-se em praticidade, o custo pode acabar sendo expressivo e o controle fica deficiente quando se precisa suprir as deficiências do ERP.

A segunda alternativa é migrar para outro sistema. As empresas evitam esse processo temendo os gastos e a complexidade da troca.

No entanto, apesar de a opção de migrar parecer tão dificultosa, o ideal é utilizar um sistema que seja mais flexível e focado no tipo de negócio abrangido pela companhia.

Back office para e-commerce

O back office serve para dar respaldo àquelas empresas que utilizam ERPs legados e perceberam a necessidade de complementar seu software.

A ideia é a de que o programa seja uma ponte entre o sistema ultrapassado e uma plataforma de e-commerce.

Crescendo no ramo do varejo online, o back office acaba realizando as funções de faturamento, logística reversa e cadastro de produtos.

No entanto, esses sistemas não foram criados para substituir completamente os sistemas ERP, já que faltam funcionalidades essenciais. Apesar de a ferramenta ter seu valor, ela não substitui um software de qualidade.

ERP desenvolvido para omnichannel

As mudanças no comportamento de consumo dos clientes moldam as necessidades das empresas.

Com os consumidores utilizando múltiplos canais, os ERPs hoje em evidência também precisam ser capazes de contemplar todos esses canais.

As plataformas mais novas estão prontas para integrar de maneira consistente todas as plataformas de marketplace, aplicações e e-commerce utilizadas pela companhia, possibilitando a maior abrangência de canais possível.

Os ERPs próprios para omnichannel também estão prontos para integrar toda modalidade de pagamento, facilitando a conciliação das vendas e aumentando as taxas de sucesso da empresa e de satisfação do consumidor, que pode escolher a forma de pagamento mais adequada ao seu bolso.

Correios, transportadores e gateways de fretamento estão dentro das expectativas do ERP específico para omnichannel.

Isso permite uma visão panorâmica sobre os preços dos fretes e controle do investimento feito com o transporte na empresa.

A gestão de estoques é facilitada, a integração é completa e a facilidade de uso é evidente. Por isso, a escolha por um software pensado para omnichannel parece a mais acertada.

É essencial que sua empresa opte por um sistema que não barre o crescimento da empresa, garantindo inteligência no planejamento, gestão e operação de seus processos, gerando uma gestão de inovação.

Quais são os módulos do sistema ERP?

Para funcionar com eficiência, cumprindo todas as atividades necessárias a uma empresa, o sistema ERP é dividido em módulos. Mesmo integrados, esses módulos possuem particularidades de acordo com as necessidades de cada área.

Os módulos podem ser adaptados conforme a utilização da empresa, se adequando ao que for preciso nas rotinas.

Além disso, a divisão em módulos favorece a autonomia dos setores para a realização das atividades, possibilitando que cada um se concentre apenas nas funcionalidades essenciais para o seu trabalho.

Dessa forma, também é garantido o sigilo das informações da empresa, já que apenas pessoas autorizadas podem acessar os dados de cada um dos módulos.

É possível encontrar ERPs com funcionalidades distintas no mercado. No entanto, um bom ERP precisa contar com alguns módulos específicos.

A seguir, listamos quais são eles e as principais funcionalidades de cada um.

Módulo financeiro

O módulo financeiro permite o controle das contas a pagar e a receber, a administração das contas bancárias e o acompanhamento do fluxo de caixa.

Quando integrado com os demais setores da empresa, esse módulo fornece relatórios gerenciais sobre todas as movimentações financeiras.

Dessa forma, o gestor pode utilizar esses dados para usar como base para previsões e planejamentos financeiros, além de controlar os indicadores da área de finanças da empresa.

Módulo contábil

O módulo para a área contábil permite otimizar as tarefas, uma vez que pode ser integrado com o SPED Contábil.

Possibilita também relatórios de contabilidade geral, demonstrativos periódicos, balancetes e outros documentos importantes, tudo de forma automatizada.

Módulo compras

O módulo de compras é de fundamental importância, tanto para o setor de compras quanto para vendas e logística. Para isso, é essencial que ele seja totalmente integrado ao setor de contabilidade e aos locais de armazenamento.

Dessa forma, é possível gerar relatórios contábeis, além de acompanhar todo o processo de compra de produtos, que vai desde o pedido da mercadoria até o pagamento dos fornecedores.

Módulo produção e estoque

Com o módulo de estoque, é possível acompanhar todas as etapas da produção de mercadorias, como o abastecimento do setor, o acompanhamento das atividades dos colaboradores, entre outras funções.

Ao calcular os indicadores de produção, o gestor pode planejar as ações com precisão e identificar problemas de produção e estoque com mais facilidade.

Ou seja, o módulo auxilia a empresa também na melhoria contínua dos processos.

Além disso, é possível controlar todas as mercadorias, sejam elas matéria-prima, insumos internos ou resultados da produção.

O gestor também pode controlar as variações de estoque conforme a demanda da empresa e dos clientes, o que permite fazer compras mais adequadas.

Módulo gestão de relacionamento com o cliente

O módulo de gestão de relacionamento com o cliente, que também pode ser chamado de CRM (Customer Relationship Management), faz o registro dos clientes da empresa e o acompanhamento dos processos de venda e pós-venda dos produtos ou serviços.

Além disso, esse módulo pode ajudar a empresa até mesmo a relacionar as compras com os perfis de consumidor, permitindo uma carteira de clientes com informações que podem servir para prospecção de vendas.

Com essas informações, é possível melhorar a qualidade do atendimento aos clientes e aumentar o número de propostas fechadas, ampliando a lucratividade da empresa.

Módulo gestão de RH e Departamento Pessoal

Esse módulo permite ao gestor ter um registro de todos os dados relativos aos colaboradores centralizados e com fácil acesso.

Essa facilidade ajuda o RH a ser mais produtivo, uma vez que grande parte das tarefas operacionais é automatizada.

É nesse módulo que são armazenados os cargos e salário, além de informações para planejamento de férias, benefícios, faltas, horas extras, admissões, demissões, folha de pagamento, entre outras.

Tudo em um único lugar.

Como escolher um sistema ERP?

Siga os passos a seguir e descubra como escolher o melhor sistema ERP para a sua empresa:

  1. Análise de necessidades da empresa.
  2. Avaliação de fornecedores que preencham esses requisitos.
  3. Verificação de estrutura necessária.
  4. Verificação da forma ideal de suportar o ERP escolhido (infraestrutura própria, Data Center,  ERP Cloud, ERP SaaS etc.).
  5. Treinamento da equipe.
  6. Definição dos responsáveis por cada atividade.
  7. Realização de testes.

Como implantar um sistema ERP?

Para começar a implementação de um sistema ERP, é importante pesquisar as empresas que oferecem o serviço e escolher aquela mais adequada às demandas da sua empresa.

Uma vez que o sistema ERP é potencialmente personalizável, o ideal é optar por aquele que tenha funções pensadas para o seu tipo de negócio.

A função de implementar o software fica a cargo da fornecedora e se divide em três fases principais:

  1. Estudo da implementação;
  2. Implementação propriamente dita;
  3. Entrada em produção.

Estudo da implantação do ERP

Na primeira fase, a de estudo da implementação do ERP, os processos serão analíticos.

Serão realizadas coletas de informações na empresa, a partir da observação dos procedimentos e, assim, deve ser moldado o plano de atuação.

O plano será o produto final do estudo.

Implantação do ERP

Na fase de implementação do ERP, como o nome já diz, o plano de trabalho definido é colocado em prática e os softwares são preparados e instalados nas máquinas.

As equipes são treinadas nessa fase, a fim de se tornarem aptas a utilizar a totalidade das funções da plataforma.

Entrada em produção

A entrada em produção diz respeito ao começo da utilização supervisionada do sistema ERP na rotina da companhia.

Onde encontrar um sistema ERP gratuito?

Agora que você já sabe tudo sobre o sistema ERP, chegou a hora de conhecer os diferenciais do ERP Base by Asaas.

O Base by Asaas é um  Software ERP, criado para garantir a gestão financeira completa para a sua empresa. Sistema totalmente na nuvem, com ele, é possível: cuidar do financeiro, criar propostas comerciais, organizar o estoque e emitir notas fiscais. Tudo em um único sistema.

Sistema SERP gratuito, com o Base by Asaas você não paga mensalidade, mesmo com vários usuários. A empresa paga apenas as taxas dos serviços que usar. Além disso, não há custos de implantação e a empresa tem direito a um treinamento online gratuito para facilitar o processo.

Veja as funcionalidades oferecidas pelo sistema:

Gestão financeira:

  • Contas a pagar: controle de pagamentos de funcionários, fornecedores etc.
  • Contas a receberotimização de recebimentos, com registros das entradas.
  • Fluxo de caixa: controle de fluxo de caixa mais eficiente.

Gestão de vendas:

  • Proposta comercial: auxilia nas propostas, indicando as melhores estratégias.
  • Pedido de venda: facilidade e rapidez na criação de pedidos de vendas.
  • Nota fiscal eletrônica: emissão com mais agilidade.
  • Cadastro de cliente: registros com informações relevantes para um melhor relacionamento os clientes.

Gestão de estoque e de compras

  • Estoque automático: controle de estoque e automatização de parte das atividades.
  • Nota fiscal de entrada: maior facilidade no registro de entradas de mercadorias na empresa.
  • Pedido de compra: automatização do processo para facilitar as rotinas de gestão.

Além de todos os recursos oferecidos, o Base by Asaas é um sistema 100% baseado em nuvem, ou seja, pode ser acessado de qualquer lugar.

Diferente de outros sistemas, o Base by Asaas não cobra mensalidade de acordo com a quantidade de colaboradores que usam a solução, permitindo um número ilimitado de usuários, sem nenhuma cobrança mensal extra.

E então, se interessou pelo nosso sistema ERP gratuito? Então, saiba mais sobre o Base by Asaas e crie sua conta grátis.

Simplifique o recebimento de cobranças com o Asaas