Quais são as formas mais comuns de ciberataques e como evitá-los?

quais-sao-as-formas-mais-comuns-de-ciberataques-e-como-evitalos.jpeg

 

A adoção do modelo software como serviço, ou SaaS, já deixou de ser uma novidade no mercado, e hoje passou a ser tendência. Isso porque houve uma evolução no pensamento dos empreendedores, que perceberam que o investimento em infraestrutura e soluções robustas de TI inviabilizam o negócio.

A melhor saída é o uso de softwares oferecidos por outras empresas, já instalados e em operação em suas próprias infraestruturas, dentro das possibilidades da famosa nuvem (ou cloud computing). Mas fica no ar a dúvida: isso é seguro? Há risco de vazamento dos dados dos meus clientes? E se houver um ciberataque?

Ciberataques são ofensivas no mundo virtual que representam perigo ao negócio porque afetam dados sensíveis da empresa e até de clientes, sabotam sites e portais, tirando-os do ar, ocasionam fraudes em transações e geram prejuízos financeiros e à imagem do empreendimento, independentemente do seu porte. Estão expostas a esse risco todas as empresas, das startups às empresas tradicionais.

É possível considerar uma plataforma virtual segura?

Quando essa realidade se aplica a plataformas que são oferecidas por empresas no regime SaaS para uso de outras empresas que contratam esse serviço (o uso de softwares já instalados em infraestruturas consolidadas e o pagamento apenas por esse uso), o assunto fica ainda mais sério. Nessa relação empresa-cliente e empresa-fornecedora é primordial o fator confiança. E essa confiança é alcançada pelo nível de segurança oferecido pelo fornecedor SaaS.

A responsabilidade da empresa que oferece seu serviço em forma de SaaS é grande, porque transitará pela solução e infraestrutura informações altamente críticas do negócio do cliente. Por ali serão transferidos dados pessoais dos clientes da empresa contratante, por exemplo, e a empresa fornecedora terá de responder por eventuais vazamentos de informações. Para que tudo isso funcione bem é preciso garantir a segurança desse modelo, gerenciando riscos, implementando controles de acesso e mantendo monitoramento permanente.

Já ouviu falar em “ciber-higiene” como forma de combater ciberataques?

Fazendo um paralelo com o cotidiano de qualquer pessoa, a “ciber-higiene” funciona como o banho e a escovação dos dentes, atividades indispensáveis para manter a integridade física e o bem-estar de um ser humano. Mas o melhor desse comparativo é que, assim como na higiene pessoal, os artefatos para o combate às ameaças virtuais são de baixo custo e isso não inviabiliza a manutenção de plataformas e nem encarece a contratação do serviço pelas empresas clientes.

Dentro desse conceito, existem práticas que podem ser adotadas para evitar ciberataques, e todo empreendedor desse ramo deve estar atento a elas.

Faça backup das informações valiosas

O risco de um servidor ser invadido por hackers é real, e mesmo que haja soluções de segurança instaladas, é sempre bom ter uma reserva daquilo que mais interessa para a empresa. Cada empresa deve avaliar quais informações são indispensáveis ao seu negócio

Mantenha todas as aplicações atualizadas

As atualizações dos sistemas muitas vezes trazem correção de falhas de segurança, e por isso é fundamental aceitar todas as sugestões de novas versões não só do software utilizado em plataformas virtuais, mas também de tudo o que mantém o bom funcionamento das máquinas de onde o acesso é feito, como sistemas operacionais, navegadores web e até o firmware do dispositivo móvel utilizado nas consultas e transações.

Controle bem os acessos

Ter uma política de controle de acesso é outro meio importante para se manter a segurança e ter sucesso na prevenção a ciberataques. Assim, cada colaborador deverá ter acesso apenas às funcionalidades necessárias para desempenhar as atividades dos processos pelos quais responde, bem como funcionários desligados da empresa deverão ter seus acessos e senhas revogados. Sempre que houver mudanças de cargos também é importante alterar os códigos de acesso para que as permissões sejam adequadas ao novo cargo.

Alerte seus funcionários sobre os riscos

Muito se fala em engenharia social, aquela metodologia maliciosa na qual informações sobre as pessoas são coletadas sem que elas percebam que estão sendo sondadas e que estão fornecendo dados que podem colocar em risco tanto a si mesmas como as pessoas com quem elas se relacionam e a empresa onde trabalham.

No mundo virtual, essas situações se materializam por meio de cliques em links ou abertura de anexos que parecem oferecer alguma vantagem ou ameaçam bloquear a continuidade de alguma operação caso não seja feita determinada atualização. Na maioria dos casos, ao aceitar a sugestão dada pelo software mal-intencionado, são instalados vírus e malwares para captura de informações ou prejudicar o funcionamento do sistema.

Vale a pena investir em conscientização e treinamento do corpo funcional da empresa, para que ele se engaje na missão de preservar a companhia, estando atento a toda tentativa de ataque e apto a evitá-la.

Há ofertas de plataformas virtuais seguras e livres de ciberataques?

Um dos maiores desafios do empreendedor que oferece soluções SaaS certamente é o de oferecer disponibilidade e escalabilidade das soluções e infraestrutura, além de credibilidade e segurança aos clientes. E isso pode ser alcançado quando é dada a devida atenção a essas necessidades, considerando que não existe solução pronta para todo tipo de negócio.

Começar uma ciber-higienização pressupõe quebrar as atividades cotidianas do negócio em partes, para que sejam aplicadas ações de segurança em cada uma delas e, embora as iniciativas sejam similares, é preciso adaptar a escala de execução de acordo com as necessidades de cada empreendimento.

Contratar empresas sérias que ofereçam soluções cercadas de mecanismos de proteção também é fundamental para a tranquilidade do negócio. Não interessa o tipo de software que será objeto da contratação, todos eles deverão estar abarcados em uma infraestrutura que suporte inteligências de segurança e monitoramento constante de tudo o que se passa no ambiente.

Você já sabe como prevenir sua empresa de sofrer ciberataques? Se gostou desse artigo e acha que ele pode ser útil a um amigo, a um parceiro ou a um cliente, compartilhe-o nas redes sociais e nos ajude a disseminar a cultura da ciber-higienização para que as empresas tenham paz no mundo virtual. E se você ficou com alguma dúvida, deixe o seu comentário!

O Autor
Vice-presidente no Asaas
Gerar boleto

Esteja sempre bem informado sem pagar nada!

Cadastre-se e receba um e-mail semanal com as últimas novidades do blog.