Indicadores de desempenho financeiro: quais devem ser acompanhados?

Tocar um negócio individual exige de cada empreendedor muita disciplina e grande capacidade de organização. Os indicadores de desempenho financeiro, nesse sentido, significam mais controle para suas atividades, em especial aos que têm muitos clientes.

Recebimentos em datas nem sempre precisas, valores que oscilam e atrasos são alguns dos fatores que podem desestabilizar suas contas e, em consequência, seus rendimentos.

Não seria interessante se você pudesse medir, de forma simples e rápida, suas finanças ao nível dos negócios? É justamente disso que trataremos neste artigo. Leia atentamente para não se perder mais nas contas!

Rentabilidade

Provavelmente, você conhece os efeitos da inflação na economia, certo? De maneira geral, trata-se do indicador que mede quanto se perde em poder de compra em um dado período. Em 2018, por exemplo, a inflação acumulada foi de 3,66%, o que significa que, de janeiro para dezembro, R$ 100,00 passou a valer R$ 97,44, ou seja, R$ 3,66 simplesmente viraram “fumaça”, por causa da depreciação natural do poder de compra.

Para você, empreendedor, que trabalha por conta própria, o que isso significa?

Ora, vamos imaginar que você tem um cliente para o qual presta serviços. Ao longo do ano, cobrou, mensalmente, R$ 500,00. Considerando só a inflação, é justo dizer que a rentabilidade desse valor foi perdida. Assim sendo, é válido renegociar novos valores, com base em indicadores de rentabilidade.

Para ficar mais simples, você pode comparar o que o seu trabalho apresentou com o que rende, por exemplo, uma caderneta de poupança. Como esse é um tipo de depósito com rendimento baixo, é um ponto de apoio para saber se o que você recebe é rentável.

Some os rendimentos para um cliente ao longo de um período, compare com outro similar e, no final, veja de quanto foi o rendimento. Se estiver abaixo da poupança ou da inflação, talvez seja hora de ganhar mais.

Nível de endividamento

Outro fator sempre presente na rotina de quem tem um negócio próprio é o endividamento. E mesmo que hoje você não tenha nenhum débito a ser pago (parabéns!) o fato é que, cedo ou tarde, será necessário pedir algum tipo de crédito. Acredite, não há empresa, até mesmo individual, que não precise de uma injeção de capital em momentos de aperto ou de crescimento.

Considerando a eventualidade quase certa de contrair um empréstimo ou um financiamento, você deverá cuidar para que não saia do controle, concorda? Para isso, a solução é calcular quanto de juros pagará pelo dinheiro emprestado. Em seguida, veja quanto desses juros consomem seus rendimentos.

Se o percentual estiver acima de 10%, ao mês ou ao ano, então, o ideal é buscar uma taxa menor ou negociar com outra fonte de crédito. Agora, se você já estiver endividado nesse nível ou acima disso, a solução é reduzir seus custos ou aumentar seus índices relacionados ao lucro. De qualquer forma, a taxa de juros não pode consumir mais do que a décima parte de tudo que você ganhar.

Lucratividade

Embora seja perfeitamente normal a confusão, o fato é que lucro e lucratividade não são a mesma coisa. O primeiro é apenas o saldo que fica depois que você soma tudo que recebe e subtrai tudo aquilo que gastou.

Já a lucratividade é um dos indicadores de desempenho financeiro mais utilizados, porque informa com mais precisão o retorno de suas atividades. Para isso, tome o lucro líquido e divida pelo seu faturamento bruto. Para ficar mais fácil de entender, imagine que seu negócio apresentou um faturamento bruto de R$ 15 mil em um mês.

Depois de descontados todos os seus custos e despesas, sobraram R$ 5 mil, que é o seu lucro líquido. Assim:

Lucratividade = Lucro Líquido / Faturamento Bruto

Lucratividade = 5.000 / 15.000

Lucratividade = 0,33 = 33%

Custos

Há quem diga que empreender é a arte de reduzir custos ao mínimo. Por mais que soe exagerada, a afirmação é verdadeira, se você considerar que cortar gastos é a primeira medida a se tomar na hora do aperto, certo?

Contudo, não é só para sair do sufoco que você pode e deve pensar em eliminar gastos. Isso porque, antes de fazer qualquer tipo de redução, é necessário saber por onde seu dinheiro está saindo.

Tomar conhecimento de quanto se gasta e, acima de tudo, como se gasta, é fundamental para o sucesso. O melhor é que, para isso, não tem mistério. Basta registrar tudo que entra e sai de suas contas diariamente e, no final do dia, verificar o que consome mais recursos. Esse registro diário o deixará mais íntimo de suas contas e, com o tempo, você saberá onde poderá cortar gastos de maneira natural.

Não deixe também de categorizar seus custos. Existem os chamados fixos, ou seja, os que não mudam com o tempo e são sempre estáveis e independentes, como os aluguéis. Já os variáveis são aqueles que aumentam conforme seu negócio produz mais. Um exemplo disso são os custos com matérias-primas, que aumentam conforme a produção.

Retorno Sobre o Investimento

Voltando à já mencionada caderneta de poupança, é justo dizer que ela apresenta uma taxa de retorno baixa, se comparada com outros tipos de investimento. Nos negócios, o mesmo princípio se aplica, sempre que você investe em marketing ou publicidade. Como são valores que saem do seu orçamento tendo em vista um retorno, é preciso medir em números o quanto gerarão.

Esse cálculo é chamado de ROI, sigla em inglês para Retorno Sobre o Investimento. Sua lógica é bem simples e bastante útil, considerando todo valor que você aplicará. Para isso, vamos supor que sua empresa individual investiu R$ 350,00 em uma campanha de anúncios no Google. Como retorno, você captou novos clientes, que geraram receitas de R$ 550,00. Calculando o ROI, teremos:

ROI = Retorno – Custo / Retorno

ROI = 550 – 350 / 550

ROI = 36%

Como se vê, o ROI tem alguma semelhança com o cálculo da lucratividade. Portanto, é um dos cálculos mais relevantes, já que mede o retorno quando se tem a expectativa de um resultado.

O mais importante é que você nunca deixe de acompanhar a evolução de seus gastos e das receitas, assim, fica mais fácil antecipar-se às crises. Da mesma forma, você será capaz de decidir com mais segurança, sempre atualizado pelos indicadores de desempenho financeiro.

Curtiu o artigo e quer aprender mais? Tire suas dúvidas sobre antecipação de recebíveis agora mesmo!

Gerar boleto

Esteja sempre bem informado sem pagar nada!

Cadastre-se e receba um e-mail semanal com as últimas novidades do blog.