Descubra o que é um plano de negócios e saiba como montar o seu

por Gestão de Negócios

Publicado em 12 de dezembro, 2016 | Atualizado em 9 de fevereiro, 2024

Você já ouvir falar em plano de negócios? Basicamente, é um documento que serve como um mapa completo da sua empresa e indica como ela pretende se posicionar no mercado, o que deseja oferecer e como vai fazer para alcançar os resultados estratégicos.

Esse processo agrega uma série de vantagens à administração do seu negócio, permitindo que você, enquanto empreendedor, aprimore suas ideias, defina com clareza seus objetivos e metas e apresente um documento concreto para os investidores.

Mas por onde começar? Quais são os desafios envolvidos no processo? E o que pode dar errado? Veja, a seguir, um guia completo sobre plano de negócios!

Por que é tão importante acertar na criação do plano de negócios?

Realizar esse planejamento tem muitos aspectos positivos para o negócio e, por isso, é uma etapa essencial, que deve ser realizada, se possível, antes da abertura da empresa. Inclusive, conhecer as vantagens ajuda a entender o que torna esse processo tão importante.

Por isso, veja quais são os pontos positivos de criar um plano de negócios e como ele pode ajudar sua empresa!

Oferece direcionamento

Primeiramente, um planejamento completo é útil para que você saiba como cuidar melhor do negócio. Conhecendo seus pontos fortes, sua operação e seus objetivos, fica mais fácil tomar decisões que estejam alinhadas a essas expectativas.

Além disso, o plano de negócios é importante para entender onde estão as ameaças, quais erros devem ser evitados e o que precisa ser priorizado. Basicamente, é como ter uma bússola ou um mapa, facilitando a navegação no oceano de possibilidades dos negócios.

Favorece a captação de recursos

O plano de negócios também serve para ser apresentado a investidores em potencial. Ele funciona como uma espécie de resumo do negócio, de suas características e de seu potencial de crescimento e desenvolvimento.

Se ele for completo e atraente, há mais chances de um investidor decidir aplicar os recursos na sua empresa. Assim, é possível reunir o capital necessário para começar a operar ou mesmo para crescer no mercado, por exemplo.

Aumenta as chances de sucesso

Sim, um plano desse tipo é um dos ingredientes nada secretos para uma empresa ter sucesso. Afinal, por melhor que seja a sua solução ou o time escolhido, é preciso que tudo funcione em sintonia rumo aos resultados estratégicos, certo?

Porém, o mercado está cada vez mais competitivo e os clientes são exigentes. Sem a estrutura certa, é mais difícil vencer os obstáculos e atingir os objetivos. Portanto, o plano de negócios vem para ajudar nesse sentido.

Conhecendo como é a sua empresa, o que ela oferece, como se diferencia e quais são os interesses, fica mais fácil tomar decisões. Com menos erros, mais oportunidades são aproveitadas e, no final, há uma consolidação quanto ao sucesso.

Quais os desafios ao criar um plano de negócios?

Até aqui, você já sabe o que é o plano de negócios e sua importância para definir o andamento da empresa e suas ações estratégicas. Contudo, também é preciso ficar por dentro dos desafios, pois isso vai ajudá-lo a alcançar melhores resultados.

Quer saber como é possível contornar esses obstáculos? Continue a leitura e saiba tudo!

Especificar as minúcias

Ser detalhista nesse planejamento é fundamental, pois ele serve para convencer investidores da relevância da sua empresa. Além disso, também ajuda a orientar a tomada de decisão e a condução da empresa diante de diferentes condições. Ou seja, esse documento também deve ser tratado como uma espécie de argumento de marketing.

No entanto, surge um grande desafio: detalhar o plano sem transformá-lo em uma espécie de manual de instruções entediante. Afinal, é preciso cativar e convencer, não apenas lotar de informações.

Por isso, o indicado é ser detalhista, mas sem se esquecer de que é na reunião com os investidores que maiores informações deverão ser passadas.

Comprovar seu potencial de sucesso

O plano de negócios deve mostrar lógica e demonstrar, de forma objetiva, que a empresa tem chances de dar certo. Assim como um profissional de advocacia deve respaldar seus argumentos, esse planejamento precisa oferecer motivos para um investidor apostar na ideia da empresa.

O segundo desafio é demonstrar que seu time é qualificado e que sua organização tem diferenciais competitivos que a distinguem das concorrentes, além de comprovar as chances de sucesso por meio de pesquisas de mercado.

Parece complicado, não é? Mas não precisa ser, na verdade. O truque é realizar pesquisas de mercado para buscar dados concretos e evitar os termos superlativos e promessas acima do possível.

Descrever o negócio com clareza

Aqui, temos outro aspecto que o uso excessivo de superlativos pode prejudicar. Se não houver clareza nas descrições do seu plano de negócios, os leitores não conseguirão avaliar objetivamente o que ele propõe.

Esse desafio tem um caráter crítico. Se a leitura não agradar ao investidor, é provável que ele a abandone logo de início. Por isso, é importante construir uma narrativa que seja envolvente, mas que vá direto ao ponto para mostrar o negócio. Também é necessário evitar histórias longas e descrever precisamente o que sua empresa faz e o que ela pretende no mercado.

Quais erros a empresa não pode cometer?

Vencer os desafios também significa ter cuidado com algumas falhas que podem acontecer pelo caminho. Embora um plano de negócios esteja sujeito ao erro, é preciso agir para evitá-los — e é especialmente preocupante a frequência com que alguns deles ocorrem. Pior ainda: algumas dessas falhas frequentes podem ser catastróficas para os negócios.

Ao se deparar com diversos modelos de planos de negócios, é preciso estar preparado para escolher o que melhor serve à sua empresa. No meio do caminho, conhecer as falhas é essencial para evitá-las. Por esse motivo, listamos os principais erros e também as melhores dicas para se ver livre deles. Acompanhe!

Não ter objetivos claros

Se não há metas específicas e um objetivo claro para a aplicação do plano de negócios, é provável que tudo vá por água abaixo. Sem mensurar suas expectativas de vendas e visar o futuro do empreendimento, o empreendedor erra fatalmente e pode comprometer a saúde financeira do negócio.

O princípio do plano de negócios é dar um norte para gestores e colaboradores, definindo métricas e objetivos para a empresa. Como colocar em prática um plano eficiente se a organização não sabe onde quer chegar?

Há outro aspecto: muitas vezes, gestor e equipe acreditam que têm um plano sólido em mãos, quando, na verdade, há muitos furos que podem prejudicar definitivamente o desempenho da marca no mercado.

É por isso que um bom plano de negócios deve definir, explicitamente, o número de vendas que pretende atingir em um período determinado e qual a abrangência que pretende conquistar em seu mercado.

As visões da empresa para o futuro não devem ficar restritas a clichês (como “ser líder de mercado” sem explicar como fazer isso) e interesses desconectados da realidade. As metas devem ser mensuráveis, específicas e relevantes para manter as finanças em dia.

Subestimar a concorrência

Ao descrever um plano de negócios, muitos gestores acabam pintando esse planejamento como algo tão inovador que não haveria concorrência. Alerta: erro fatal à vista!

Tome cuidado com esse tipo de afirmação, pois, ainda que sua marca não tenha concorrentes diretos no momento, é provável que passe a existir algum produto ou serviço que possa substituir os seus.

Além disso, a concorrência se forma diante das inovações, criando competição até mesmo para os novos empreendimentos.

A pergunta que deve ser feita pelo empreendedor é: se meus produtos e serviços não existissem, como o consumidor teria suas necessidades atendidas? A resposta para essa questão vai auxiliar a identificar quem são os concorrentes que fazem frente à empresa — e são eles que devem ser tratados no plano de negócios.

Descuidar da administração financeira

A falta de cuidado com o dinheiro da empresa é outro erro comum nos planos de negócios. Planilhas financeiras podem ser enganosas quando o gestor se preocupa mais em inflar os números para fazer parecer que a saúde financeira da organização está em dia.

Na expectativa de apresentar um negócio sólido, o empreendedor pode se deixar levar pelo otimismo excessivo e registrar projeções de venda que não condizem com as capacidades reais da empresa.

Não subestime, também, os custos e as despesas da organização. Esse registro distante da realidade pode comprometer o futuro da empresa.

Para facilitar suas atividades, você pode utilizar ferramentas de gestão, assim como o Asaas. Além de agregar automação à empresa, essa plataforma faz o controle de suas finanças e organiza seus dados com eficiencia, facilitando a gestão financeira.

Não demonstrar seus diferenciais competitivos

Em alguns casos, o empreendedor tem, de fato, um negócio promissor nas mãos. A dificuldade surge quando se torna necessário passar essas boas ideias para o papel, e o gestor tem dificuldade para identificar e ressaltar seus diferenciais competitivos.

O diferencial de uma marca é aquele ponto digno de atenção, o fator X que chama a atenção do consumidor e pode torná-lo um cliente fiel da empresa. Não reconhecê-lo é um erro cometido tipicamente pelos empreendedores que não estudaram seu mercado e os concorrentes, deixando que a emoção cegue a visão do real potencial de seu negócio.

Desconhecer seu negócio

O desconhecimento também é um fator que merece ser reforçado. Quando o plano de negócios é superficial, tende a abusar de clichês, citando “produtos de extrema qualidade”, “equipe altamente treinada” e sua relação com os “principais fornecedores”. Esse excesso indica um desconhecimento do próprio negócio, o que pode prejudicar todo o planejamento.

Quando o empreendedor não tem um bom currículo, pode querer compensar sua inexperiência em um engrandecimento de seu plano de negócios. No entanto, os planos realmente bons são específicos e precisos, sem cair em termos técnicos e sem ser prolixos.

Como montar o plano de negócios? 5 boas práticas

Tão importante quanto saber quais são os desafios e os erros dessa elaboração é entender como ela deve ocorrer. Para tanto, o ideal é adotar algumas boas práticas ao criar o seu plano de negócios.

Independentemente do tamanho ou do tipo da sua empresa, é possível dividir essa elaboração em alguns “grupos”. A seguir, veja o que fazer!

1. Elabore o sumário executivo

Lembra-se de que falamos que é preciso apresentar um resumo para os investidores? O sumário executivo cumpre perfeitamente essa função, pois traz um panorama completo do negócio e das soluções que oferece.

É nesse resumo que você deve apresentar a ideia por trás do negócio, a missão, os valores e mesmo as questões burocráticas (como o tipo de sociedade).

Também deve demonstrar um plano geral de atuação e como serão obtidos os recursos para financiar tudo isso. No caso de apresentar a investidores, esse é um momento para fazer uma “proposta” de aporte em troca de participação na empresa.

2. Faça uma análise completa de mercado

Como o seu negócio se posiciona no setor? Como atende ao público? Aliás, quem é o público e como as pessoas consomem? Essas são apenas algumas perguntas que devem ser respondidas com o apoio de uma análise de mercado.

A intenção é contextualizar a presença do seu negócio no setor de interesse. Quem são os concorrentes? Qual é o nível de ameaça estabelecido pelos competidores? Se não há concorrentes, é a ideia que é inovadora ou não há mercado interessado?

Também é preciso identificar qual é o público-alvo e suas características e quais são os fornecedores em potencial. Assim, você pode ter uma ideia de como o negócio vai atuar.

3. Cuide do plano operacional

Até aqui, abordamos questões teóricas sobre o negócio. A parte prática vem no plano operacional, que busca entender como tudo deve ser executado. Nesse momento, é interessante definir qual será o seu modelo de atuação, se as vendas serão físicas ou online, como deve ser o ponto comercial e assim por diante.

Também é necessário estabelecer quantos serão os profissionais necessários, como cada parte do negócio vai receber atenção (como a logística e o armazenamento), qual é a capacidade de vendas ou produção e demais questões.

A intenção é definir, clara e detalhadamente, como o negócio vai trabalhar, do princípio ao fim. Isso vai ajudar a conhecer os processos, saber como eles se relacionam e entender como construir rotinas padronizadas e que funcionem.

4. Dê atenção ao planejamento financeiro

Apesar de estar ligado à questão operacional, o setor financeiro merece atenção especial no plano de negócios. Isso porque é ele o responsável por financiar todas as atividades da empresa e viabilizar a conquista de resultados.

Nesse sentido, é muito importante considerar alguns aspectos, como as fontes de recebimento do negócio, as despesas fixas e variáveis, os investimentos necessários ao longo do tempo e como eles serão usados.

Também vale a pena pensar na contratação de serviços que apoiem esse gerenciamento, como uma plataforma ou aplicativo. Contar com um recurso para receber o pagamento dos clientes, portanto, faz toda a diferença.

Além de tudo, é preciso considerar a estrutura do fluxo de caixa, entre contas a receber e a pagar e a possibilidade de adiantar o recebimento do dinheiro para equilibrar o caixa. Tudo isso deve estar previsto no planejamento para garantir uma atuação saudável.

5. Não se esqueça do plano de marketing

Não menos importante, lembre-se de que você deve dar atenção à questão do marketing no planejamento. Afinal, é por meio de uma divulgação adequada que a empresa pode atrair e fidelizar clientes, além de consolidar a marca perante os concorrentes.

Nessa parte, devem estar especificados elementos como público-alvo, canais de comunicação, campanhas de divulgação, posicionamento, entre outros. Inclusive, é interessante estabelecer etapas de divulgação e comunicação, desde o lançamento do negócio até o alcance de ações definidas, como o aumento de vendas.

Portanto, não arrisque os sonhos que você tem para seu empreendimento por conta de um plano de negócios mal gerenciado. Agora que você domina o que é plano de negócios e conhece as melhores dicas, é hora de colocá-las em prática.

Outro material que pode te ajudar é a planilha de modelo de orçamento para empresas, faça o download gratuito!

Simplifique o recebimento de cobranças com o Asaas

9 Comentários

  1. Fabiano jose

    Olá boa noite! Trabalho nessa área de CONSTRUÇÃO civil,como como prestador de serviços,preciso legalizar para pessoa jurídica quanto ficaria o CNPJ?

    Responder
    • Redação Asaas

      Olá, Fabiano. Neste caso, seria necessário consultar os órgãos responsáveis por cadastro e emissão de CNPJ.

      Responder
  2. Gabriel

    Para me aprofundar mais ainda nesse conteúdo, onde posso procurar?

    Responder
  3. Patrícia

    Olá, realizo locação de imóveis e preciso emitir boleto para pagamento de aluguel. No caso, faço pelo meu CPF. Se precisar negativar o boleto do inquilino, é possível fazer com o CPF ou somente CNPJ?
    Onde tenho acesso a estas informações, pois fiz o cadastro no ASAAS.

    Responder
    • Redação Asaas

      Olá, Patrícia

      Para utilizar o recurso de negativação é necessário ter uma conta PJ ativa. Além disso, o Asaas não trabalha com protesto de boletos. Caso tenha interesse, é necessário procurar um cartório para fazer o processo. Possuímos uma funcionalidade que permite informar na fatura e boleto em quantos dias o cliente irá tomar a ação. Além disso, é possível utilizar a régua de cobrança para envio de notificações automáticas.

      Algumas orientações sobre o protesto de boleto:
      – Disponibilizamos o boleto original para protesto em cartório;
      – É necessário levar os documentos e o boleto do Asaas até o cartório;
      – Depois disso o pagador recebe uma carta, com um outro boleto, onde é somado o valor da dívida + os custos do cartório;
      – Em caso de não pagamento, ele será protestado e não conseguirá mais pagar o boleto;
      – É possível solicitar ao Asaas a baixa do registro para o pagador não conseguir mais pagar o boleto.

      Responder
  4. Evelin

    Trabalho maravilhoso

    Responder
  5. Patricia

    Olá, sou fisioterapeuta e tenho um estúdio de pilates. Assim como eu, vários colegas são pf e gostaríamos de ter a possibilidade da inclusão da pessoa no SPC.
    Eu tenho a empresa a menos de 1 ano e não consigo ser pf agora. Poderia ter uma forma para as pf também.

    Responder
    • Redação Asaas

      Olá, Patrícia

      Existem alguns requisitos para realizar a negativação pelo sistema do Asaas:

      – Ter o cadastro aprovado;
      – Não ter Natureza Jurídica como Associação e ONG;
      – Não possuir CNAE 8291100 – Atividades de cobrança e informações cadastrais;
      – Ter saldo disponível para cobrança da taxa.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.