Como calcular juros e multas ao cobrar por meio de boletos?

Por Redação Asaas
Publicado em 28 de outubro, 2015 | Atualizado em 19 de janeiro, 2022

Um método super tradicional e extremamente eficiente de pagamento é o boleto bancário, que normalmente pode ser impresso pelos próprios clientes e atualmente é usado pela maioria das empresas virtuais.

De emissão simples, o boleto é prático e satisfaz às necessidades de praticamente qualquer empresa, indo desde as grandes multinacionais aos microempreendedores individuais.

Isso sem contar que, além das facilidades tanto para o emissor como para o consumidor, os boletos também simplificam a administração dos pagamentos. Mas para optar por esse meio de pagamento é preciso aprender, antes de mais nada, a calcular juros e multas para efetuar as cobranças adequadamente.

Não sabe nem por onde começar? Então leia nosso post a seguir e entenda direitinho como fazer esses cálculos!

A importância dos boletos

Para começo de conversa, não custa nada lembrar que o boleto ainda é a forma mais segura, rápida e eficaz de se efetuar cobranças. E por incrível que pareça, atualmente, na era digital, esse recurso vem se tornando cada vez mais importante, sendo usado com eficiência nas compras pela internet.

Como benefício extra, a praticidade do boleto ainda permite a fidelização bem como a aquisição de novos clientes.

O percentual das multas

O valor máximo da multa cobrada em atraso, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor brasileiro, é de 2% do valor total do boleto. E essa multa deve ser cobrada de uma só vez para cada título.

Assim, se o valor do boleto é, por exemplo, de 200 reais, a multa será de 4 reais, não importando a quantidade de dias em atraso.

É fundamental que não só o MEI como qualquer empreendedor aja de acordo com as normas para evitar problemas no futuro — afinal, não é nada raro se deparar com queixas e processos pela simples cobrança indevida de multas, com a lei garantindo ao consumidor lesado o direito à restituição.

O cálculo dos juros

Ao contrário das multas, os juros variam conforme a quantidade de dias em atraso, alcançando o teto de 1% pro rata — ou seja, juros diários por um período específico de dias.

Essa é uma taxa unitária, válida por um período determinado de dias que tradicionalmente equivalem a um mês (30 dias). Essa taxa é obtida ao se multiplicar o valor total pela porcentagem, dividir esse resultado por 30 e multiplicar pelo número de dias incluídos no período.

Assim, tomando o exemplo dado no tópico das multas, se o cliente tem um boleto em aberto de 200 reais e está há 10 dias em atraso, o MEI terá que calcular juros do boleto da seguinte forma: 200 x 0,01 = 2 / 30 x 10 = 0,66. Logo, o valor total, incluindo multa e juros, será de 200 reais mais 4, da multa, e 66 centavos dos juros, totalizando R$204,66.

Embora essa continha seja um pouco mais complexa, logo o MEI se acostumará.

A dificuldade maior pode surgir se a quantidade de boletos gerada for elevada demais. Por isso, é recomendável contar com o suporte de uma plataforma de gestão, já que, nesse cenário, gerenciar essas faturas deve passar a ser uma das prioridades da pequena empresa.

Assim, definitivamente vale a pena investir em um sistema gerenciador que ainda ajude a efetuar cobranças de clientes inadimplentes e calcular juros e multas devidamente.

Agora que já sabe calcular tudo e até conhece a ferramenta a que deve recorrer para facilitar sua gestão, comente aqui e nos conte se ainda ficou alguma dúvida!

No Asaas você tem negativação de devedores