Empreendedores de sucesso: pilares e histórias que você precisa conhecer

Por Redação Asaas
Publicado em 16 de janeiro, 2017 | Atualizado em 22 de março, 2022

Empreendedores de sucesso não nascem da noite para o dia. Antes de sustentar esse título, é necessário muita coragem, persistência e um grande aprendizado. A história de vida dessas pessoas que chegaram ao topo nas suas carreiras serve de inspiração para os que também desejam alcançar o sucesso.

É importante atentar-se a um detalhe: o empresário que está no início da sua vida deve saber que desafios e dificuldades surgirão ao longo do caminho, e o que fará a diferença entre o sucesso e o fracasso é justamente a capacidade de enfrentá-los e seguir adiante — além de, é claro, ter objetivos bem definidos e um desejo ardente de conquistá-los.

Para inspirar você a persistir e a prosperar no empreendedorismo, separamos, a seguir, 21 histórias de pessoas que começaram suas carreiras de sucesso tendo que superar muitos desafios. Acompanhe!

Quais são os pilares dos empreendedores de sucesso?

Conheça os 10 pilares dos empreendedores de sucesso:

1. Desejo de inovar

Sua empresa não precisa ser uma startup para trabalhar com inovação. Até mesmo os ramos mais tradicionais do mercado podem contar com pequenas novidades, seja na forma de prestação do serviço, seja no próprio produto que é oferecido a seus consumidores.

O importante é que o empreendedor tenha o desejo de inovar frente à concorrência, para acompanhar as transformações do mercado, construir uma rede de negócios cada vez maior e se destacar nas áreas em que atua.

2. Resiliência para enfrentar os desafios diários

Independentemente do tamanho e área de atuação de sua empresa, uma coisa é certa: haverá desafios a serem superados. Essa é uma realidade constante na vida de empreendedores brasileiros, por isso e importante ter em mente que esses desafios não são razão para desistência.

Ao contrário, um empresário de sucesso é aquele que supera dificuldades cotidianas do empreendimento encarando-as como oportunidades de aprendizado e de crescimento. Com o tempo, você se torna mais experiente e resiliente.

3. Ter uma referência na qual se espelhar

Não há nada de errado em adotar modelos de referência nos quais se inspirar. Eles podem ser empreendedores de sucesso, como Warren Buffet e Bill Gates, que foram capazes de construir verdadeiros impérios, com filosofias de vida e éticas profissionais próprias.
Mas também é possível adotar referências externas ao mundo dos negócios, desde que sua vida e ensinamentos sejam relevantes para o cotidiano de sua empresa. Esse é o caso, por exemplo, de personalidades como Albert Einstein, que afirmou pensamentos célebres a exemplo deste: “algo só é impossível até que alguém duvide e resolva provar o contrário”. Inspire-se por essas pessoas!

4. Autocrítica para perceber os próprios erros e acertos

Não somos perfeitos e, certamente, temos muito o que aprender. Até os empreendedores mais experientes também falham e estão em constante aprendizado. Assim, é imprescindível ter a capacidade de refletir sobre suas atitudes e ter a autocrítica necessária para perceber os próprios erros e acertos no contexto empresarial.

Com o tempo, esse tipo de atitude gera aprendizado, posturas mais efetivas diante suas equipes e sucesso para seu empreendimento.

5. Planejamento e pensamento em médio e longo prazo

Não há empresa que sobreviva pensando apenas no presente. É preciso planejar os próximos passos, se preparar para o futuro e tomar as medidas necessárias para que seu empreendimento possa acompanhar as tendências do mercado.
Quando contratar mais funcionários? Ao tomar um empréstimo hoje, como sua empresa pretende lidar com os pagamentos no futuro?

Os rendimentos serão suficientes para cobrir os custos fixos e variáveis? As respostas para essas perguntas são fundamentais para o desenvolvimento de qualquer negócio, e podem muito bem ser respondidas por meio de um planejamento comercial, financeiro e contábil minucioso.
Que tal aprender mais dicas sobre como planejar e alcançar metas de venda em sua empresa? Confira aqui!

6. Proatividade entre os pilares do empreendedor

Bons empreendedores são aqueles que sabem quando é necessário arregaçar as mangas e tomar iniciativa para executar as tarefas essenciais de sua empresa.
Um projeto não tem apresentado os resultados esperados? Seus funcionários não conseguem encontrar a solução para um problema do cliente? Que tal ter a proatividade necessária para participar do dia a dia da empresa e fazer com que esses resultados sejam atingidos?

Além de demonstrar engajamento para os membros de sua equipe, esse tipo de atitude te transforma em um empreendedor que conhece a fundo os problemas e cotidiano da empresa.

7. Criatividade e flexibilidade para oferecer soluções inteligentes

Por falar em resoluções de problemas e soluções para seus clientes, nem sempre essas respostas são simples de serem encontradas. É por isso que muitos empreendedores são formados em áreas completamente diferentes das que atuam: eles têm uma perspectiva diferente e inovadora sobre o mesmo contexto de negócios.

Assim, podem pensar de forma criativa e flexível, oferecendo respostas, muitas vezes, mais criativas e eficientes do que outros profissionais. Como exercício, procure sempre se colocar também no lugar do cliente para identificar problemas na prestação de serviços e pensar em soluções inovadoras.

8. Vontade para melhorar a cada dia e se tornar um empreendedor de sucesso

Não seja um empreendedor conformado com o que tem. Para estar sempre em crescimento e buscando novos e melhores resultados para sua empresa, é preciso ter aquela inquietação de saber que algo poderia ter sido melhor, de que ainda é possível aperfeiçoar o serviço.
Empreendedores como Steve Jobs carregavam esse sentimento, pois sentiam-se motivados por ele. É algo que te faz crescer e melhorar. Assim, você estará em constante desenvolvimento, o que é o objetivo de qualquer empreendedor de sucesso.
Quer saber mais informações sobre Steve Jobs? Clique aqui e descubra!

9. Visão e foco nos objetivos da empresa

Quais são os objetivos de sua empresa? Qual é a missão de seu empreendimento? E seus valores? Seus funcionários internalizaram essas características essenciais do empreendimento?
A referência de qualquer colaborador da empresa é o empreendedor, por isso, visão e foco são aspectos essenciais de um profissional de sucesso. Procure demonstrar diariamente esses valores para seus funcionários, além de acreditar nesses objetivos e tê-los em mente no dia a dia da empresa. Afinal, de que outra maneira seria possível concretizá-los?

10. Capacidade de liderança

Um empreendedor de sucesso é, também, a pessoa responsável por liderar um time de funcionários e colaboradores na jornada da empresa. É do empreendedor que se esperam as medidas de superação dos desafios, as razões para engajamento na cultura da empresa, a vontade de oferecer os melhores produtos e serviços possíveis, entre outras coisas.

Por que não exercitar essa capacidade de liderança? Leia livros sobre o tema, informe-se sobre seu papel na empresa e esteja sempre aberto a receber feedback de seus funcionários. Essas atitudes te fazem não apenas um chefe, mas também um verdadeiro líder.

Quais são as maiores histórias de empreendedores de sucesso?

Conheça histórias de empreendedores de sucesso para se inspirar e avançar na carreira:

Luiza Trajano (Magalu)

Nos dias de hoje, não dá para falar sobre vendas e comércio digital no Brasil sem falar da Magazine Luiza. No entanto, nem sempre foi assim. O caminho para se tornar uma grande rede de lojas e um excepcional e-commerce teve uma longa trajetória, ocupando décadas da vida da empresária Luiza Helena Trajano, que dá nome ao negócio.

Atualmente, são cerca de 800 lojas e aproximadamente 24 mil funcionários, em uma empresa que é constantemente apontada como um dos melhores locais para se trabalhar. A preocupação com os colaboradores, aliás, é um dos motes da gestão da instituição, que segue marcando o seu posicionamento no varejo nacional.

Desde jovem, Luiza Trajano já mostrava um grande tino para os negócios, trabalhando na loja da família durante suas férias. Depois, junto ao seu marido, comprou um pequeno comércio, que foi o pontapé inicial para a imensa cadeia varejista que conhecemos. Razões para o sucesso não faltam e muito disso pode ser explicado por ações inovadoras.

Um diferencial importante, por exemplo, foi a criação do Disque Luiza, uma linha exclusiva para o atendimento aos clientes, com instruções claras para oferecer a melhor experiência e aprimorar o relacionamento. Outro ponto relevante foi o bom projeto de expansão, cuja estratégia se mostrou um marco e posicionou a organização no topo de seu ramo.

Flavio Augusto (Wise Up)

A Wise Up é uma das líderes do mercado em cursos de idiomas no Brasil e muito disso se deve à visão estratégica de seu fundador, Flávio Augusto da Silva. O histórico de superação de empreendedorismo o coloca como um ícone do mercado brasileiro e mostra que algumas características, como persistência e a criatividade, são indispensáveis.

Vindo da periferia do Rio de Janeiro, Flávio não teve uma formação acadêmica diferenciada, estudou em colégios públicos na maior parte de sua vida escolar. Ele começou a trabalhar cedo e, com apenas 19 anos, foi contratado por um curso de inglês do seu bairro, mesmo com um baixo salário e quase sem benefícios.

A sua confiança o levou a deixar os estudos universitários que havia começado e se dedicar em tempo integral ao seu trabalho, com a intenção de crescer. Não deu outra e, em pouco tempo, ele já era o gerente da unidade. O mais curioso é que, na época, ele não sabia falar outros idiomas, mas enxergou um grande potencial no segmento.

Sendo assim, com 23 anos, ele fundou a Wise Up, cujo atrativo maior era uma metodologia inovadora que ele patenteou, que ensinava de forma ágil e prometia fluência no inglês em apenas 18 meses. O final da história: mais de 500 filiais espalhadas pelo país e no exterior, além da aquisição do Orlando City, um importante clube americano de futebol.

Miguel Abuhab (Neogrid)

Miguel Abuhab tem a sua educação formal baseada na formação em engenharia mecânica, mas o grande sucesso da sua vida veio do tino para o negócio. Por isso, ele figura nessa lista de empreendedores de sucesso e pode servir de inspiração para você que deseja começar o seu próprio negócio, mas acha que não tem as ferramentas para isso.

Nascido em São Paulo e graduado no Instituto de Tecnologia da Aeronáutica (ITA), foi trabalhando em Santa Catarina que ele foi visionário e previu uma grande oportunidade: a tecnologia corporativa. Dessa forma, criou o Datasul, que é o primeiro software de gestão empresarial do nosso país.

A plataforma, assim como as outras soluções do gênero, integra os setores de uma empresa e centraliza as informações em um só local, permitindo uma excelente automação dos processos. Outro diferencial que explica o seu sucesso é que, até por ser uma ferramenta nacional, o seu preço era menor que o dos concorrentes do exterior.

No ano de 2006, Abuhab vendeu sua empresa por mais de 750 milhões de dólares, mas a sua inquietude o obrigou a continuar empreendendo. Assim, ele iniciou o projeto que se tornaria a NeoGrid, uma solução diferente no segmento de softwares, que oferece alternativas de ponta a ponta na gestão da cadeia de suprimentos.

Coco Chanel (Chanel)

Coco Chanel se tornou, em todo o mundo, um sinônimo de moda, luxo, sofisticação e elegância. No entanto, isso não ocorreu por acaso e nem em pouco tempo, tendo em vista que, para se tornar o desejo de consumo de milhões de mulheres, houve um passado inspirador e que foi tema de filmes, livros e peças de teatro.

Gabrielle Chanel, seu nome de batismo, nasceu no interior da França e começou como vendedora. Chegou a viver em um convento de freiras antes de conseguir seu primeiro emprego, como costureira. Ali, seu talento e ambição se uniram, ao mesmo tempo em que trabalhou em uma loja de roupas e como cantora de cabaré.

Embora achasse que seu sucesso viria da música, Coco Chanel encontrou sua grande chance ao conhecer um jovem rico chamado Etienne Balsan, que a levou a Paris e financiou sua primeira loja. O foco era em chapéus, com um estilo elegante e simples, que chamou a atenção da aristocracia francesa e de muitas atrizes da época.

Com o passar do tempo, o negócio foi crescendo e sendo ampliado, promovendo uma verdadeira revolução nos trajes femininos daquele período, utilizando materiais diferentes, baseando concepções na moda masculina e culminando na criação de clássicos da alfaiataria para as mulheres, como a sua obra-prima: o famoso pretinho básico.

Márcio Kumruian (Netshoes)

O Netshoes também merece figurar em qualquer lista de empreendimentos de sucesso no Brasil, uma vez que é uma das principais e mais lucrativas empresas do seu ramo. Tudo começou pela imaginação de Marcio Kumruian, mas sua história de êxito comercial, assim como a maioria, remonta de anos de batalha e força mental.

Ele iniciou suas vendas com uma loja física, mas tudo mudou no ano de 2002, quando um programa de incentivo abriu a possibilidade de levar tudo para a internet. A Netshoes desbravou caminhos com a estruturação do seu modelo de administração e foco no meio digital, um ramo pouco explorado até então no Brasil.

O investimento pesado em marketing e o foco na web são escolhas que fizeram com que a marca se tornasse referência no país e liderar, até os dias de hoje, as vendas de artigos esportivos por e-commerce. Outro nicho muito buscado no site é o de calçados, que conta com uma variedade incrível de modelos, tamanhos e marcas.

Um dos segredos explorados por Márcio Kumruian é investir na satisfação do cliente no pós-venda, oferecendo a primeira troca gratuita, por exemplo, o que é crucial quanto o consumidor não pode experimentar antes o tênis ou sapato. O futuro se mostra promissor, com muitas parcerias e expansão da carteira de produtos.

Nevaldo Rocha (Lojas Riachuelo)

Nevaldo Rocha nasceu no interior do estado do Rio Grande do Norte, no quente sertão nordestino. No entanto, todas as dificuldades inerentes da região não impediram que ele se tornasse, nos dias de hoje, um dos grandes ícones do empreendedorismo brasileiro, por conta da fundação e do sucesso das lojas Riachuelo.

Sua história começa a mudar quando ele completa 12 anos e se muda para Natal, uma cidade grande e com maiores oportunidades de crescimento. Por lá, começou a trabalhar em uma relojoaria, e o seu faro para negócios começou a se desenvolver, sobretudo porque a capital era um ponto estratégico para a aviação norte-americana.

Muitos militares dos Estados Unidos começaram a comprar seus relógios e o seu destaque como vendedor o fez comprar a empresa do seu patrão. Um tempo depois, junto ao seu irmão Newton Rocha, foi aberta sua primeira loja de roupas. Desde então, o crescimento foi constante, até mesmo com a construção de uma confecção em Recife.

A experiência com fabricação própria e sua intuição foram as características que abriram caminho para a compra das lojas Riachuelo e Wolens. Nos dias de hoje, a marca segue em pleno desenvolvimento, com cerca de 30 novas lojas Riachuelo abetas por ano e uma posição na lista dos homens mais ricos do mundo da Forbes.

Thiago Alvarez (GuiaBolso)

Muitos brasileiros têm dificuldades em administrar as suas próprias economias e acabam em apuros financeiros, com grandes dívidas e o pagamento de parcelas com alta incidência de juros. Essa é a realidade de muita gente por aqui e, com isso em mente, Thiago Alvarez resolveu empreender e ajudar as pessoas a resolverem esse problema.

Junto a seu amigo Benjamin Gleason, eles projetaram o GuiaBolso, um aplicativo de tremendo sucesso, que ajuda a controlar as finanças dos usuários e ajudar na tomada de decisões relacionadas ao dinheiro. Como todos os empreendedores de sucesso dessa lista, Alvarez precisou de entusiasmo, arrojo e ousadia para tirar sua ideia do papel.

Seu histórico profissional e acadêmico já mostrava destaque, sendo um ex-aluno de Administração pela Universidade de Brasília, concluindo um mestrado pela PUC de São Paulo e participando de projetos sociais. No entanto, o seu caminho parecia ser ajudar os outros a controlar os gastos e reduzir os custos na rotina diária.

Com a experiência adquirida, ele tocou o projeto que mudou sua vida e contou com aporte de capital estrangeiro. A proposta inicial é simples: basta acessar o website, fornecer algumas informações e receber como o diagnóstico de sua situação, com orientações das melhores estratégias para melhorar a conjuntura na qual você se encontra.

Gustavo Caetano (Samba Tech)

Gustavo Caetano ganhou tanto destaque nos últimos anos que recebeu um prêmio do MIT Technology Review, como um dos destaques do empreendedorismo com menos de 35 anos. A pouca idade corrobora algumas de suas principais características, como o estilo inovador e ousado, que levou à criação do seu grande sucesso: a Samba Tech.

Seu sonho era o de se tornar um CEO de uma grande empresa, o que ele conquistou, mas logo trocou pelo objetivo de construir o seu próprio império. Por isso, ele tentava empreender de diversas formas, como no desenvolvimento de uma plataforma de vendas para jogos de computador. Esse negócio, por exemplo, acabou não dando certo.

No entanto, Gustavo foi visionário e, no momento em que a gigante das comunicações Google negociava a compra do YouTube, ele percebeu uma grande oportunidade e assim surgiu a Samba Tech. Trata-se de um sistema de armazenamento e distribuição de vídeos, que pode ser utilizado por qualquer organização, para o fim que ela desejar.

Atualmente, são mais de 100 milhões de vídeos por mês, com geração de relatórios e medição de audiência, angariando clientes em toda a América Latina. A atuação foi se expandindo e o grupo já conta com outras empresas, administradas pela holding Samba Group.

Mark Zuckerberg (Facebook)

Mark Zuckerberg deixou de ser um empreendedor de sucesso da internet ou um mero bilionário comum, pois ele faz parte do imaginário popular, é conhecido em todo o planeta e já inspirou até mesmo um filme de sucesso. Sua trajetória é tão impressionante que, nos dias de hoje, muitas pessoas podem nem ligar o seu nome à fundação do Facebook.

A rede social é a mais acessada no planeta, com mais e 1 bilhão de usuários cadastrados, muitos dos quais acessam a plataforma todos os dias. Despertando amor e ódio, Zuckerberg é um grande líder de visão, que soube aproveitar as oportunidades e se tornou o mais jovem bilionário da face da Terra.

Desde as idades mais precoces, Mark já demonstrava habilidades notáveis em programação, escrevendo softwares antes mesmo de chegar à faculdade. A sua escolha foi pela renomada Harvard, na qual cursou Ciências da Computação e Psicologia, até que criou o Facemash, uma espécie de embrião do Facebook.

Dessa brincadeira, ele viu a chance de criar um projeto de alcance planetário, o que se mostrou verdade em pouco tempo. Mesmo com diversos processos de ex-amigos, questionamentos sobre direitos autorais e problemas de imagem no mercado, Zuckerberg segue angariando fãs, empresas e mais dinheiro.

Luiz Seabra (Natura)

A Natura é uma das marcas mais conhecidas no Brasil atualmente, mas o caminho até aqui não foi nada simples. Luiz Seabra galgou trajetos complicados até se tornar um empresário de reconhecimento internacional.

Seus ofícios despertaram uma verdadeira paixão pela composição de produtos químicos e isso, unido aos seus conhecimentos administrativos, o levaram a ser responsável pela gestão de um laboratório. Não demorou muito, o seu talento e tino comercial transformou o local em uma empresa de sucesso, a Natura.

A marca é reconhecida no mercado pelos seus valores, tendo muitas ações voltadas para a sustentabilidade, por exemplo. O modelo de negócio de venda direta, com a utilização de representantes comerciais como revendedoras, também funciona bastante. Com isso, a organização é referência e já se faz presente em outros países, inclusive na Europa.

Expedito Arena e Altino Cristofoletti (Casa do Construtor)

Você já deve ter visto uma franquia da Casa do Construtor na sua cidade ou ter ouvido falar dessa empresa que venceu muitos dos grandes desafios do empreendedor e inovou ao alugar máquinas e equipamentos de pequeno porte para a construção civil.

Tudo começou a partir do sonho do então ajudante de pedreiro Expedito Arena, que, aos 7 anos de idade, ajudava o pai em Rio Claro (SP). Junto ao amigo e sócio Altino Cristofoletti, tinham o sonho de se tornarem engenheiros civis e foram à luta.

Anos depois, quando os dois já estavam formados, surgiu uma nova batalha: arrumar emprego em meio à chamada “década perdida” brasileira, nos anos 1980, cuja inflação alcançava patamares de 4 dígitos. A solução, então, foi empreender.

Abriram uma modesta loja de materiais de construção em 1993, ainda em Rio Claro, no interior paulista. Três anos depois, Expedito e Altino começaram a desenvolver um modelo de franquia. A primeira unidade, já registrada como Casa do Construtor, nasceu em 1998, na cidade de Americana (SP).

Para se tornarem empresários de sucesso, os sócios tiveram que criar uma cultura: a do aluguel das máquinas, já que as pessoas não tinham dinheiro para comprá-las por conta da economia do país. Os dois enxergaram uma oportunidade de ouro na escassez e um novo nicho: alugar para pessoas comuns, como donas de casa e pedreiros.

Depois de muitas barreiras, a Casa do Construtor conta, hoje, com mais de 200 unidades em quase todos os estados brasileiros, consolidando-se como a maior empresa do ramo de aluguel de máquinas e equipamentos para construção civil da América Latina.

Carla Renata Sarni (Sorridents)

O lado empreendedor de Carla Renata Sarni surgiu ainda criança, mais precisamente aos 8 anos de idade, na cidade paulista de Pitangueiras. À epoca, Carla ficou em frente a um supermercado vendendo uma caixa de costura, com o objetivo de comprar a primeira bicicleta.

Hoje, a empresária e odontóloga comanda uma das mais conhecidas redes de atendimento odontológico do Brasil, a Sorridents. Ainda na faculdade, vendia doces e roupas a professores e colegas para pagar os estudos e ajudar a família. Ganhou, inclusive, o apelido de “camelô” dos colegas universitários.

Diploma na mão, Carla foi para a capital paulista e chegou a trabalhar em três clínicas antes de montar a própria, em 1995. O negócio foi se expandindo até nascer a marca Sorridents, em 1999.

O sucesso do empreendimento se deu em razão do nicho escolhido: oferecer serviços odontológicos de todas as especialidades a pessoas das classes C, D e E, que praticamente não iam ao dentista em razão do alto custo. Deu tão certo que o marido Cleber Soares também cursou odontologia, fez pós-graduação em administração e foi trabalhar com a esposa.

Em 2008, a empresa abriu um modelo de franquias e, atualmente, conta com mais de 180 clínicas em 16 estados brasileiros. Em 2016, foi a primeira rede de franquias brasileira a se tornar case de estudo na Universidade de Harvard.

Robinson Shiba (China in Box e Gendai)

Nós já contamos a incrível história do empresário Robinson Shiba em um post de 2014, mas como agora ele está em evidência por conta da série de televisão Shark Tank Brasil – Negociando com Tubarões, do canal Sony, vale a pena reforçar o seu sucesso como empreendedor.

Em 1992, Shiba apostou em um ramo praticamente inexplorado no Brasil: o da culinária asiática, por meio da rede China in Box (de comida chinesa) e do restaurante Gendai (de comida japonesa).

Tudo começou quando o estudante de odontologia viajou com amigos para os Estados Unidos com o intuito de estudar inglês por um período. Ele não contava com um assalto que sofreu, ficando completamente sem dinheiro. Shiba passou, então, a trabalhar como lavador de pratos em restaurantes e também como entregador de pizzas para conseguir se sustentar em terras norte-americanas.

Retornando ao Brasil, o empresário logo implantou o modelo de fast food com delivery, entregando comida chinesa em caixinhas — nascendo a primeira unidade da China in Box no bairro Moema, na zona sul de São Paulo. Para ajudar a expandir o negócio do filho e obter capital para investir na marca, o pai de Shiba chegou a vender um apartamento por um terço do seu valor.

Hoje, a China in Box e a Gendai contam com 216 lojas franqueadas pelo Brasil.

Daniel Wjuniski, Fernando Ortenblad e Roberto Lifschitz (Minha Vida)

Se você já fez alguma pesquisa sobre saúde, alimentação ou bem-estar na internet, provavelmente já se deparou com o portal Minha Vida nos primeiros resultados.

Fundado em 2004, o Grupo Minha Vida é considerado o maior site desse nicho no Brasil e conta com a parceria de mais de 700 profissionais da saúde e especialistas, alcançando impressionantes 22 milhões de acessos mensais únicos e mais de 23 milhões de pessoas cadastradas na newsletter.

Tudo começou por conta do diagnóstico de uma doença. Aos 20 anos, o sócio fundador Daniel Wjuniski foi diagnosticado com Crohn, uma enfermidade rara e crônica que causa inflamação nos intestinos.

Na época ele tentou pesquisar mais sobre a doença, mas só conseguia informações em sites estrangeiros. Além disso, ele precisava perder cerca de 10 quilos para aumentar a qualidade de vida — Daniel sempre sofreu bullying por conta do peso.

O empresário percebeu, então, uma grande oportunidade de negócio: gerar informação de qualidade e confiança aos brasileiros que, como ele, também não encontravam conteúdo confiável sobre saúde e bem-estar em português na internet.

A partir disso, Daniel fez sociedade com o amigo Fernando Ortenblad e ambos uniram-se a Roberto Lifschitz, que tinha grande experiência no mercado financeiro. Nasceu, então, o Minha Vida.

Começaram a trabalhar no fundo do escritório do pai sem muitos recursos. Foi então que conseguiram uma reunião com o presidente da Johnson & Johnson, empresa na qual Daniel e Fernando estagiaram na época da faculdade de administração. Conseguiram dois anos de patrocínio.

Atualmente, também faz parte do Grupo Minha Vida o Dieta e Saúde — maior programa online de emagrecimento do Brasil — e o Consulte.me, que é um serviço de agendamento online de consultas com profissionais que são indicados por outros pacientes.

Todo o faturamento da empresa é obtido por meio da venda de publicidade e assinaturas do programa de emagrecimento, que já gerou o total de 1 milhão de quilos emagrecidos.

Alexandre Costa (Cacau Show)

O chocolate é um produto consumido e adorado pela maioria das pessoas no Brasil e no mundo, mas quem saboreia a doçura e a qualidade dos chocolates da empresa Cacau Show jamais poderia imaginar as dificuldades que Alexandre Costa, fundador da marca, teve que enfrentar antes de transformar a loja em uma franquia conhecida em todo o território nacional.

O gosto pelo empreendedorismo foi herdado de sua mãe, Vilma Costa, que começou a vender bombons de porta em porta por volta de 1984. Embora a ideia dela não tenha vingado após 3 anos, o jovem e entusiasta Alexandre insistiu no projeto e passou a distribuir suas trufas e ovos artesanais em várias lanchonetes e padarias espalhadas por São Paulo.

Passando por diversos desafios, como a perda de um cliente muito importante, Alexandre reinventou o seu modelo de negócios e passou a realizar venda por catálogos, e logo em seguida abriu suas primeiras lojas.

Por volta do ano de 2003, a empresa iniciou o seu plano de expansão e investiu no modelo de franquias que conhecemos atualmente. Hoje, a Cacau Show tem mais mil lojas espalhadas pelas cidades brasileiras, gerando emprego a milhares de moradores locais e um faturamento que está na casa dos bilhões de reais anuais.

Rolim Amaro (TAM)

Rolim Amaro foi o dono do maior império da aviação nacional. Apesar de ter crescido em uma família humilde no interior paulista, Rolim decidiu abandonar os estudos no curso de contabilidade e dedicar-se ao seu maior sonho: ser piloto de aviões.

Como a formação para esse tipo de função era absurdamente cara, Amaro teve que trabalhar como faxineiro de aeronaves, taxista e mecânico de automóveis para pagar as despesas do curso — uma prova da sua garra e busca por objetivos que fariam dele o dono de uma das maiores empresas de aviação do Brasil.

Ao se formar, ele começou a trabalhar como piloto de táxi-aéreo em uma companhia de aviões Cessna — ou “teco-tecos” como popularmente são conhecidos. Com muita dificuldade e economia, Amaro adquiriu a pequena empresa que trabalhava.

Após anos de muito esforço, espírito empreendedor, fé e coragem, ele transformou a minúscula empresa de táxi-aéreo em uma grande potência. Infelizmente, Rolim faleceu no ano de 2001, mas seu legado ficou marcado e seu exemplo foi e é utilizado por muitas pessoas que sonham em empreender.

Edson Bueno (AMIL)

Como em outros cases que mostramos ao longo deste artigo, Edson Bueno teve uma origem humilde. Ele já trabalhou como engraxate e vendedor de frutas, e nunca desistiu de acreditar em si próprio.

Uma prova disso é o fato de ele sempre investiu na sua educação. Após um acidente, ele teve a oportunidade de conviver frente a frente com o doutor Moacyr Junqueira, médico e seu mentor desde então.

Incentivado por Moacyr, Bueno mudou-se para o Rio de Janeiro, formou-se em medicina e, após o exercício da profissão por alguns anos, em uma arriscada transação, adquiriu a casa de saúde na qual trabalhava.

Aquele era um negócio praticamente falido e com incontáveis pagamentos atrasados, dívidas enormes e, aparentemente, impossíveis de serem pagas, além de problemas estruturais e administrativos.

Nesse ponto, saiu a figura do médico e entrou o empreendedor individual. Edson implementou diversas mudanças, instituiu um modelo de gestão próprio e único, que nunca havia se visto em ramos hospitalares. Com o efeito, décadas depois fundou a Amil, uma das maiores operadoras de planos de saúde do Brasil.

Chris Gardner (Christopher Gardner International Holdings)

Precisando sustentar a família, Gardner começa a trabalhar como vendedor de equipamentos médicos, mas sempre determinado a se tornar um homem de sucesso. Por isso, nunca desistiu de procurar por uma oportunidade.

Um belo dia, ao estacionar seu carro, encontra Bob Bridges, que dirigia uma Ferrari. Gardner ajudou o homem a estacionar em troca de respostas para duas perguntas: o que Bridges fazia e como ele o fazia. Bob respondeu que era corretor da bolsa de valores, um vendedor de ações com um faturamento anual de 80 mil dólares, uma verdadeira fortuna para a época.

Naquele momento, o perfil empreendedor de Chris Gardner floresceu. Decidiu, ali, que trabalharia no mercado de ações e que teria uma Ferrari vermelha no futuro. Nesse momento Chris decide se inscrever em um estágio não remunerado na bolsa.

Nessa mesma época, uma sucessão de acontecimentos levam o americano ao fundo do poço: é abandonado pela mulher, que leva o filho para a costa leste do país, perde o emprego como vendedor e o estágio. Chris ainda vai para a prisão por causa do pagamento pendente de multas de trânsito.

Mas, sem desistir de lutar, Gardner se inscreve em outro programa de estágios e é aceito, ao mesmo tempo em que Jackie volta e deixa Chris Jr. aos cuidados do pai. Sem condições de pagar um aluguel, Chris e seu filho, com 2 anos, chegaram a dormir em abrigos, na rua e até em banheiros públicos.

Apesar das dificuldades, Chris consegue ser contratado, em 1982, como corretor pela Bear Stearns & Company. Apenas 5 anos depois, ele abre sua própria corretora, em Chicago. Hoje é fundador e CEO da Christopher Gardner International Holdings. Ah, e comprou uma Ferrari vermelha que, de bônus, ainda pertencia a Michael Jordan!

Essa história lhe parece familiar? Pois deve ser porque foi contada pelo próprio Chris Gardner no livro À procura da felicidade, que também virou filme.

Bill Gates (Microsoft)

Pode até parecer contraditório. Um dos maiores trunfos de Bill Gates e um dos maiores exemplos de empreendedorismo foi não ter só limitado a Microsoft a comprar e revender um primeiro sistema operacional (MS-DOS) e criar um novo sistema operacional (Windows), mas também abrir suas asas para as mais diversas ferramentas que um computador poderia oferecer.

A partir daí, apareceu o Microsoft Office, o Internet Explorer, o MSN, entre outros programas que você conhece, chegando até a um videogame, o XBox. Mas perceba que tudo isso foi direcionado a uma só área: a computação.

Portanto, a Microsoft ao mesmo tempo diversificou e manteve o foco em seu nicho de negócio, conquistando o domínio na área.

A vida de Bill Gates é uma história de investimentos audaciosos, de uma inteligência nata para verificar oportunidades e principalmente de um empresário que sabia identificar tendências e visualizar o futuro. Por isso tudo, pode servir de inspiração para todos os empreendedores, não importando a idade ou porte.

Steve Jobs (Apple)

Depois de viver um período de auge em meados dos anos 80, após o sucesso do modelo Macintosh, a Apple enfrentou uma grande crise. O pivô desse período foi a demissão de Steve Jobs, motivada pela personalidade forte e teimosa do empreendedor.

Conflitos internos fizeram com que o conselho de diretores da Apple optasse por retirar Jobs da empresa. Em seguida, Steve Wozniak também saiu da Apple, que passou a amargar péssimos resultados.

Jobs continuou sua vida. Ele montou uma outra empresa de tecnologia e também se aventurou no mercado de animação, criando a Pixar. Cerca de 10 anos após sua saída, Steve Jobs retornou para a Apple e foi o grande responsável pela retomada da companhia.

Certamente, a experiência de ter sido expulso da própria empresa rendeu um aprendizado importante para Steve. Ele viu que sua determinação e apreço pela qualidade se transformaram em vantagens estratégicas. Além de agregar nos projetos que realizou no tempo que estava fora, essa experiência foi fundamental para tirar a companhia da lama nos anos 90.

Roberto Bielawski (das redes Viena e Ráscal)

Como empreendedor, Roberto Bielawski sempre esteve a par de tudo que acontecia nos seus empreendimentos, mas o rápido crescimento tornou esse envolvimento um pouco menos pessoal, o que despertou outros interesses.

Em uma viagem à Alemanha, Bielawski e sua esposa tiveram contato com a rede Ráscal, podendo, a partir daí, planejar um segundo momento em suas vidas, com um investimento bem seguro e planejado.

Foi quando veio a decisão de vender a rede de restaurantes Viena e investir novamente em um negócio menor, que pudesse manter o perfil acolhedor que Roberto Bielawski sempre desejou para seus empreendimentos.

Hoje, a rede Ráscal tem 11 unidades no Brasil, atendendo a cerca de 2 milhões de pessoas por ano. E com a experiência já adquirida de anos e anos no segmento, Bielawski transformou essa rede em sucesso mais rapidamente do que a rede Viena.

O que os empreendedores de sucesso têm em comum?

Analisando a história de cada uma desses empreendedores de sucesso, podemos perceber que a maioria era de origem humilde, que todos acreditaram no seu potencial e, principalmente, não se contentaram com uma vida cheia de limitações e dificuldades financeiras.

Muitos começaram do mais absoluto zero, ou pior, iniciaram em um negócio fracassado, repleto de dívidas e dificuldades.

Podemos perceber que cada um deles tem em comum características como humildade, capacidade de vencer obstáculos, resiliência, espírito de empreendedor, fé, coragem e clareza em seus objetivos.

Além disso, também é possível ver que suas ações são estratégicas e pautadas em análises inteligentes sobre o mercado que atuam — na maioria das vezes, assumindo riscos. Entretanto, isso só é possível quando se tem todas as características que mencionamos anteriormente.

Assim, com muita força de vontade, garra e principalmente a preocupação de oferecer os melhores produtos ou serviços, essas pessoas chegaram ao sucesso e o mantêm com maestria e muita competência.

Agora que você conheceu essas histórias sobre empreendedores de sucesso, que tal continuar dividindo as informações sobre o assunto? Então, não perca mais tempo e compartilhe este post em suas redes sociais!

Simplifique o recebimento de cobranças com o Asaas