Conheça 8 desafios do Empreendedorismo no Brasil

Por Redação Asaas
Publicado em 21 de dezembro, 2016 | Atualizado em 18 de janeiro, 2022

Duas pessoas sentadas em um bar têm uma ideia genial que em poucos dias muda a vida delas para sempre. Conhece essa história? É a narrativa mais comum apresentada na televisão e no cinema sobre empreendedorismo: fácil, simples e cheia de sorte. Contudo, os personagens fictícios sabem de todos os desafios do empreendedorismo que existem na vida real.

Quem segue carreira no empreendedorismo sabe que esse ramo tem tudo para ser recompensador. Melhores pagamentos, realização profissional, rede de contatos com visibilidade em círculos sociais e profissionais, ganho de experiência em gestão e administração são apenas alguns dos benefícios.

Contudo, começar um novo negócio não é uma tarefa simples para ninguém e é fundamental entender quais são os motivos por trás disso. Neste post, vamos discorrer sobre os principais desafios do empreendedorismo no Brasil. Se você deseja começar com o pé direito nesse universo e se preparar melhor, não pode deixar de conferir as informações a seguir!

Conteúdo

Quais os principais desafios do empreendedorismo?

1. Lidar com altas tributações

Esta é, sem dúvidas, uma das maiores queixas dos empreendedores. Se lidar com as contas domésticas já é um desafio no caso de muitos, imagina se ver em um universo cheio de taxas e nomes nunca antes vistos? Tanto os empresários de pequeno porte quanto os de médio e grande enfrentam esse obstáculo.

Além de toda a burocracia envolvida nos processos, que pode confundir muitas pessoas, o pagamento de impostos tende a custar mais do que o esperado. A regulação jurídica das empresas, portanto, configura como um dos maiores desafios do empreendedorismo no país.

Para driblá-lo, é importante se informar ao máximo em relação às alíquotas e tributações envolvidas em seu segmento de atuação. Recorrer a bons profissionais também é uma excelente ideia. Eles serão capazes de direcioná-lo adequadamente.

2. Obter financiamentos ou empréstimos

Esse é outro ponto cuja burocracia tende a ser incômoda. No momento de iniciar um novo negócio, não é incomum que os empreendedores busquem instituições financeiras, além de bons acordos que se adequem às demandas em pauta. Mesmo que seja possível encontrá-los, muitos se deparam com dezenas de empecilhos e acabam por se confundir.

Todo o processo envolvido na análise de crédito e posterior obtenção dos empréstimos solicitados podem durar semanas. Dessa forma, o sonho de abrir uma empresa em dias torna-se distante. Na intenção de contornar a situação, é interessante buscar pela facilitação do histórico financeiro, isto é, aprimorar seu score, ou mesmo buscar por alternativas mais acessíveis e rápidas de crédito (como a antecipação de recebíveis).

Além disso, esse é outro momento em que o amparo de um bom consultor pode ajudar. Ele explicará quais passos costumam estar envolvidos no processo e prepara você para agilizá-lo.

3. Formalizar o negócio

Está com tudo o que precisa em mãos para iniciar sua empresa? Então, é hora de torná-la oficial e colocá-la no papel. Mas como fazer isso? Esse é outro obstáculo encontrado no universo do empreendedorismo e que acomete muitas pessoas. São diversos os papéis que devem ser assinados — e eles variam de acordo com o segmento. É importante estar atento a todos os alvarás, licenças de funcionamento e reconhecimentos em cartório que forem necessários.

A internet é um excelente local para pesquisar sobre o assunto. Aqui no blog, por exemplo, há um post completo explicando como emitir o seu CNPJ, que é um dos primeiros passos a serem tomados na formalização.

4. Capacitar-se profissionalmente

Entrar no mercado empreendedor apenas com base em experiências pessoais pode ser arriscado, uma vez que o setor exige conhecimentos bastante específicos. As chances de uma empresa se perder em equívocos de fluxo de caixa e de mau planejamento são altas se o empreendedor não dominar conceitos da área de gestão e administração de empresas.

Driblar adversidades é essencial. Para isso, existem diversos cursos e especializações que podem fazer toda a diferença na hora de o empreendedor se atualizar e se capacitar para a continuidade do negócio.

5. Formar lideranças

Como ser um bom líder? Essa é uma das grandes dúvidas de muitos empreendedores. Vale a pena ter em mente, resumidamente, as habilidades mais específicas que os líderes devem desenvolver. Primeiro, um líder deve ter uma ótima comunicação e saber se colocar no lugar de seus liderados. Devem ainda demonstrar a capacidade de fornecer feedbacks construtivos na hora e da maneira certa, de modo a intervir em certas situações com boa sensibilidade e tato.

É claro que o líder deve reunir conhecimento técnico, mas também deve ter pensamento crítico — a fim de analisar os efeitos de suas decisões e avaliar os melhores caminhos para alcançar objetivos.

É preciso ter equilíbrio emocional, manter uma percepção afiada e saber como montar uma boa equipe de trabalho. Vale a pena assumir responsabilidades por processos, projetos e resultados; mas também assumir riscos para ter sucesso em suas ações e na adoção de ferramentas tecnológicas que podem auxiliar o negócio.

6. Gerenciar as finanças

Além da dificuldade de obter crédito, também podemos citar outro problema relacionado a recursos financeiros: a delegação do dinheiro a cada parte da futura empresa. Alguns exemplos incluem:

  • direcionamento para a abertura;
  • delimitação do capital de giro;
  • contratação de funcionários;
  • aquisição dos primeiros itens do local;
  • pagamento de serviços terceirizados etc.

Não é incomum que os iniciantes não saibam lidar com esses fatores. Afinal, muitas vezes, o montante disponível pode ser menor que o necessário na hora de cobri-los. Contudo, não é preciso se desesperar. Uma boa pesquisa, a fim de encontrar os melhores preços, e o amparo de colegas mais experientes é capaz de fazer a diferença. Conte com essas duas ideias.

Finalmente, é impossível não citar os softwares de gestão. Eles são ideais tanto no caso dos pequenos quanto dos grandes empresários e tornam todos os processos internos e externos da empresa simples e gerenciáveis. Além de abordarem os financeiros, centralizam a informação e integram setores. Contar com eles é uma excelente forma de simplificar seu processo.

7. Inovar em serviços e produtos

Lidar com a concorrência é um desafio do qual nenhum empreendedor consegue escapar. É pela constante busca de inovação que uma empresa tem a capacidade de se diferenciar em meio a tantas outras no mercado. Seja no oferecimento de serviços ou na idealização e desenvolvimento de produtos.

Para atingir maior potencial de crescimento é plausível que os empreendedores invistam seus recursos para captar e formar profissionais dinâmicos e criativos!

8. Encontrar os melhores talentos

É chegada a hora de montar sua equipe dos sonhos. Contudo, nem sempre é simples encontrar os profissionais certos. Quando isso acontece, vem o problema da capacitação, porém, ambas as situações podem ser contornadas. Existem excelentes cursos de recrutamento, que podem ser realizados em casa, de forma on-line, ou presencialmente. Basta encontrar o mais adequado para você.

Esse tipo de conhecimento permitirá que você entreviste os profissionais da forma certa e, assim, agilize o processo. Outra solução é terceirizar o serviço. Quanto à capacitação, é importante ter em mente que alinhar sua equipe aos valores da organização é parte de um processo. Realize reuniões, promova eventos internos e converse com a equipe. A comunicação direta é uma excelente maneira de começar.

Os tipos de empreendedorismo no Brasil

Individual

Há várias formas para começar investir no Brasil e qualquer pessoa pode ser um empreendedor individual. Seja qual for o porte da sua empresa, empreendedores podem ter sua empresa registrada e ser um microempreendedor individual (MEI). O único requisito é que eles faturem até R$81 mil por ano e não estejam associados a outras empresas como sócios ou administradores.

Informal

Devido ao aumento do desemprego no país, cada vez mais pessoas estão se tornando empreendedores informais. Contudo, como esse tipo de empreendedorismo funciona? Os indivíduos que trabalham de casa, por exemplo, vendendo bolos e doces, não estão legalizados. Eles estão na informalidade, ou seja, não têm empresa registrada.

Cooperativo

O empreendedorismo cooperativo também é conhecido como intraempreendedorismo. Nesse formato, os empreendedores trabalham em projetos dentro de outras empresas buscando criar melhorias e soluções inteligentes. Eles também podem atuar em grupo na manutenção e administração de empresas, assim como na parte financeira.

Franquias

Esse é o tipo de empreendedorismo mais comum no Brasil. Há muitas empresas que funcionam nesse modelo, como Cacau Show, O Boticário e redes de fast-food. Funciona da seguinte maneira: um empreendedor entra em contato com o dono de uma empresa para comprar os direitos de utilização da marca. Dessa forma, tanto o franqueador quanto o franqueado recebem uma porcentagem dos lucros.

As vantagens e desvantagens de ser empreendedor no Brasil

Quando falamos sobre os benefícios de se tornar empreendedor, as pessoas logo pensam na liberdade, especialmente quando não se sentem bem trabalhando sob pressão ou estão passando por problemas no ambiente profissional. Há muitas vantagens em empreender no Brasil, como ter ganhos proporcionais ao esforço, que é considerada uma realização pessoal.

Embora empreendedores precisem trabalhar duro, há várias vantagens que podem justificar o esforço. A possibilidade de controlar os horários e organizar a empresa como desejar são bons exemplos disso.

No entanto, precisamos falar das desvantagens. O começo para empreendedores costuma ser difícil, já que as pessoas não estão acostumadas a lidar com tantos deveres. Além disso, existe a necessidade do investimento inicial para dar partida no negócio. Alguns empreendedores tentam pedir empréstimo ou juntar uma boa quantia de dinheiro para agilizar procedimentos burocráticos.

O cenário atual do empreendedorismo

Devido aos acontecimentos de 2020, muitos brasileiros ficaram desempregados e precisaram renovar as formas de ganhar dinheiro. Afinal, contas precisam ser pagas e alimentos não podem faltar dentro de casa. Isso resultou em um número alto de empreendedores no final desse ano, sugerindo que, em 2021, a quantidade de pessoas registando suas empresas será ainda maior.

Segundo os dados do Portal do Empreendedor, em março de 2020 o Brasil tinha 9.818.993 Microempreendedores registrados. O crescimento de mais de 13% resultou em 11.316.853 MEIs registrados em dezembro do mesmo ano. O maior aumento foi no estado do Maranhão, que teve um percentual de 15,56%. Seja para começar um negócio presencial ou virtual, cada vez mais pessoas estão legalizando seus serviços.

Os desafios do empreendedorismo impactam todos aqueles que desejam iniciar (ou que já têm) um negócio no Brasil. Contudo, as dicas acima ajudam a contornar esses obstáculos.

Gostou do texto? Descubra agora mesmo como alcançar o sucesso sendo profissional autônomo!

Simplifique o recebimento de cobranças com o Asaas