Como receber pagamentos de clientes? Confira as 7 principais formas!

Diversificar os meios para receber pagamentos é fundamental, já que a expansão dos meios eletrônicos e digitais fez com que as pessoas deixassem de andar com dinheiro. 

Em Londres, por exemplo, a empresa de pagamentos iZettle anunciou uma solução para artistas de rua, que, agora, podem ter seu trabalho pago com cartão. Afinal, se notas e moedas estão em desuso, nada mais adequado para quem depende da colaboração espontânea. 

Esse é apenas um entre tantos casos que poderiam ser destacados para evidenciar os benefícios de trabalhar com diversas modalidades para recebimento de clientes. E se, até mesmo, os valorosos artistas de rua já estão tirando partido dos meios digitais, nada mais justo do que o seu negócio também entrar nessa, certo?

Sendo assim, veja, na sequência, algumas formas de pagamento que você pode agregar desde já. Boa leitura!

1. Boletos on-line 

Embora os meios eletrônicos já respondam pela maior parte das transações feitas no Brasil, o bom e velho boleto ainda tem o seu espaço, especialmente os emitidos on-line. De acordo com o Sebrae, eles respondem pela expressiva fatia de 22% dos pagamentos feitos no país. Motivos não faltam para justificar tamanha presença, afinal, um boleto pode ser emitido instantaneamente, dispensando conta bancária e todo o aparato de adquirência.

Para somar à praticidade dos boletos com emissão eletrônica, desde 2018, a Febraban tornou obrigatório o registro para que essa modalidade seja aceita. Assim, aumentou consideravelmente a segurança, diminuindo a incidência de golpes com boletos falsos. Ganha o consumidor e ganha você, que pode dispor de uma opção já bem aceita e mais segura do que nunca. Mas, como nem tudo é perfeito, o boleto registrado apresenta um custo que, na maioria dos casos, pode ser superior ao de uma transação com cartão.

2. Cartão de crédito ou débito

Não tem para ninguém! No Brasil, os cartões de débito e crédito reinam soberanos como os principais meios de pagamento. A já destacada pesquisa Sebrae aponta para 64% das vendas no país pagas ou no débito ou no crédito, ou seja, à vista e parcelado.

A expansão dos cartões é bastante compreensível, já que o chamado “dinheiro de plástico” evita ter que carregar somas de dinheiro em carteiras e bolsas. Também dispensa as sempre tediosas visitas a bancos e caixas eletrônicos para fazer saques. Já para você, empreendedor, aceitar o cartão representa muito mais oportunidades de vendas, especialmente para quem trabalha no varejo. 

Por outro lado, receber pagamentos em cartão gera um custo. Isso porque é preciso comprar ou alugar as populares “maquininhas”, conhecidas tecnicamente como Process Data Quickly terminal (PDQ). As empresas que comercializam esses equipamentos também cobram taxas a cada operação realizada. Sendo assim, deve-se escolher com critério o dispositivo, uma vez que cada uma cobra valores distintos.

3. Assinatura

Se sua empresa trabalha com vendas recorrentes, produtos ou serviços que gerem compromisso de médio e longo prazo, então, o sistema de assinatura pode ser uma boa. É o que fazem, por exemplo, as editoras de revistas, jornais e, mais recentemente, os serviços de streaming de áudio e de audiovisual na internet — Netflix, Spotify, entre outros.

Nesse caso, a vantagem principal fica por conta da fidelização. Isso porque, em alguns sistemas de assinatura, o pagamento é feito com débito em conta corrente, o que significa comodidade para o cliente e segurança para você.

O cuidado a ser tomado com essa modalidade é a questão da inadimplência, afinal, é possível que, na data do débito, a conta do cliente esteja descoberta. Sendo assim, vale combinar o sistema de assinatura com pagamentos via boleto, cartão ou mesmo presencialmente.

4. Carnê

Mais ou menos como uma assinatura, o carnê de pagamento é uma modalidade bastante popular no Brasil. Na sua versão física, consiste em um talão contendo boletos com vencimentos mensais, podendo ser pago em bancos, caixas eletrônicos ou pela internet.

Sendo um meio difundido principalmente entre as classes populares, existem redes de lojas que já estão até se valendo do carnê digital como solução de pagamento. Portanto, se seu negócio trabalha com esse público, então, o carnê é uma alternativa bem-vinda.

A desvantagem, nesse caso, fica por conta do risco maior de inadimplência, já que o carnê pode deixar de ser pago a qualquer momento.

5. Voucher

Uma submodalidade dentro dos cartões de crédito e débito é o voucher. Você sabe o que significa? 

Resumidamente, voucher é um tipo de cartão-benefício concedido por empresas a seus colaboradores. Acontece que muitas das maquininhas de cartão aceitam essas bandeiras, embora, na maioria dos casos, elas sejam para compras específicas, principalmente de alimentação.

De qualquer forma, vale consultar sua empresa de adquirência para saber se os vouchers aceitos podem ser usados para pagar por outros bens e serviços. Quanto mais opções, melhor. 

6. Paypal

Embora se diga que a expansão dos meios digitais de pagamentos seja recente, o Paypal, a mais antiga Fintech do mundo, está forte e atuante desde 1998. Tanto tempo assim em um mercado tão volátil comprova a solidez dessa forma de pagamento, que é mais indicada para prestadores de serviços. O Paypal funciona como uma transferência eletrônica, na qual o saldo de uma conta passa para outra ou é repassada para uma conta bancária.

Contudo, sendo um serviço financeiro, cada operação dessas é tarifada. Logo, se receber pagamentos “limpos” é sua prioridade, talvez as taxas do Paypal não sejam tão interessantes.

Por outro lado, o Paypal é altamente recomendado como forma de pagamento em e-commerce, uma vez que é uma das plataformas on-line mais confiáveis. Por isso, se seu negócio tem um braço digital, não deixe de oferecer mais essa alternativa para seus clientes.

7. Google Pay

Uma opção adicional para quem tem negócio on-line é receber via Google Pay. A vantagem número um desse serviço é ser gratuito para a empresa, ou seja, não há taxas e nem custos por operação, como ocorre com os cartões.

Como ponto não tão atraente, está o processo de configuração da conta, que pode parecer complexo para leigos em programação. Dessa forma, pode ser que a adesão precise ser feita com a ajuda de um profissional em TI ou mesmo de um desenvolvedor.

Você conheceu, neste artigo, sete maneiras de receber pagamentos de clientes e, assim, alavancar ainda mais suas vendas. Esperamos que tenha ótimos resultados com as dicas passadas!

Agora, compartilhe-as em suas redes sociais e ajude pessoas que estão em busca de soluções como você.

O Autor
Vice-presidente no Asaas
Gerar boleto

Esteja sempre bem informado sem pagar nada!

Cadastre-se e receba um e-mail semanal com as últimas novidades do blog.