Quais são as formas de pagamento mais usadas na internet

Por Editor Asaas
28 de março, 2014

old man with laptop and credit card at home

Quando um consumidor está concluindo a compra de um produto ou serviço na web e encontra uma forma de pagamento que não lhe parece totalmente eficiente ou segura, todo o esforço de vendas da empresa irá por água abaixo.

Para evitar esse problema, os fornecedores precisam saber quais formas de pagamento trazem o maior custo benefício e, ainda assim, são capazes de garantir a satisfação do cliente ao concluir a transação, evitando desistências de última hora e o desperdício de oportunidades valiosas de negócio. Quer saber quais são elas? Confira:

Cartões de crédito: a opção mais prática para o cliente

O cartão de crédito é a opção mais comum dos consumidores que fazem compras na internet, correspondendo a quase 2/3 do total das transações. Essa forma de pagamento, rápida e segura, exige apenas o preenchimento do número, validade e código de segurança do cartão para que a aprovação de crédito seja realizada e a compra concluída.

O uso do cartão de crédito implica no pagamento de duas taxas pelo empreendedor: uma mensal (fixa) e outra calculada sobre cada transação, com percentuais que variam de acordo com a operadora de cartões e os serviços prestados por ela.

Boletos bancários: segurança para o consumidor

Apesar de apresentar menor adesão em relação ao total de transações, o boleto bancário é uma alternativa muito usada por clientes que não possuem cartão de crédito. Ao finalizar uma compra ou contratar um serviço junto a uma empresa, o consumidor precisa imprimir um boleto para pagamento em um banco ou na internet.

Assim como acontece com os cartões de crédito, a taxa do boleto varia de acordo com a instituição financeira que irá oferecer o serviço e a carteira de pagamento escolhida. No entanto, o uso do boleto não exige o pagamento de uma taxa mensal.

TEF: menores taxas para o empreendedor

Apesar de toda a segurança envolvida em suas transações, a Transferência Eletrônica de Fundos (TEF) ainda é uma opção pouco utilizada na internet. Ao concluir uma compra, o cliente precisa digitar, em um página com conexão segura, sua senha bancária para que a instituição financeira autorize a transferêcia para a conta corrente do fornecedor.

Um dos grandes benefícios dessa forma de pagamento é o custo reduzido: com a TEF, a empresa fornecedora desembolsa menos de R$ 1 por operação, uma taxa que também pode variar de acordo com o banco que irá prestar o serviço.

Integradoras: comodidade para você

Todas as modalidades citadas até agora são diretas, ou seja, a própria empresa deve negociar convênios e pacotes com bancos e operadoras. No entanto, os empresários que trabalham com recebimento na web e temem pela segurança também podem contratar um fornecedor que ficará responsável pelo recebimento dos valores, chamada de integradora de meios de pagamento. Para usar o serviço de uma integradora, como PagSeguro ou PayPal, tudo que a empresa precisa fazer é inserir um código HTML em seu site e pagar 2% sobre cada transação (além das taxas já cobradas por bancos ou operadoras de cartão de crédito).

As principais vantagens é que as empresas podem oferecer diversos meios de pagamentos sem precisar se relacionar com  instituições financeiras e eliminar os riscos de fraude, que são totalmente assumidos pela integradora.

Lembre-se que, além de pensar em formas de pagamento que sejam viáveis para sua empresa, é preciso levar em conta que o cliente só irá se sentir satisfeito e prosseguir com a compra ele tenha as alternativas mais convenientes à sua disposição.

E você? Qual foi sua experiência com formas de pagamento na web? Qual deles tem maior custo benefício? Comente aqui!

banner_rodape