Métricas para Startup: conheça as 5 principais que devem ser acompanhadas

 

Uma startup deve sempre respirar inovação. É somente por esse caminho que ela conseguirá se destacar com um diferencial de sucesso. No entanto, isso só se torna possível se você ficar de olho em algumas métricas de performance da empresa.

Esses números são úteis porque conseguem resumir diversos pontos importantes que apresentam diagnósticos certeiros sobre a saúde do seu negócio. Índices desfavoráveis tendem a sinalizar possibilidade alta de fracasso.

Além de ficar de olho nesses indicadores em comparação a períodos fixos, como meses e trimestres, também é essencial acompanhá-los em tempo real. Assim, é possível tomar decisões oportunas antes que o cenário se agrave.

Neste artigo, conheça as 5 principais métricas para startup que devem ser acompanhadas:

1. Receita

Todo tipo de empresa tem que se certificar de estar lucrando, e com startups não é diferente. Isso é básico: ninguém obtém sucesso perdendo dinheiro, então tente permanecer longe do vermelho, sempre.

A receita vem de vendas ou de assinaturas, que são dependentes de clientes. Portanto, se esse número estiver baixo, é necessário intensificar o trabalho e reordenar seus processos para corrigir a situação.

2. CAC

Você tem ideia de quanto custa atrair cada cliente para a sua startup? Esse é o dado oferecido por uma das métricas para startup, o CAC (customer acquisition cost, ou custo por aquisição de cliente).

Trata-se de uma ótima maneira de monitorar a eficiência da sua equipe de vendas e a produtividade dos seus processos. O ideal é ter um impacto grande sobre o número de potenciais clientes sem precisar gastar muito com isso. Portanto, esse índice deve sempre permanecer baixo.

3. Lifetime value (LTV)

O quanto vale, de verdade, cada cliente da sua startup? O lifetime value busca responder essa pergunta com precisão. O LTV mostra o quanto é esperado que você ganhe com um cliente durante o tempo que estiver com você. Por conta disso, é importante ter ideia da permanência de cada cliente. É preciso incluir qualquer despesa associada ao início de contrato, como instalações e implementações de software, por exemplo. Por fim, o CAC nunca deve ser maior do que o LTV.

4. Churn rate

A taxa de churn é uma forma de colocar em números a fidelização dos seus clientes. Basicamente, ela mede a rotatividade ou a evasão de contratantes ou consumidores em determinado período.

Se o número está alto, é preciso acionar o alerta e detectar qual é o motivo para que os ajustes adequados possam ser feitos. O churn é particularmente valioso para startups que trabalham com modelo de assinaturas e SaaS. Atue com metas que busquem reduzir esse indicador — que tem impacto direto em outra métrica: o lifetime value.

5. Taxa de retenção

Muitas startups começam promissoras e sofrem com resultados ruins ao focarem demais em conquistar vendas e dedicar menos atenção a cuidar dos seus clientes já existentes. O upsell precisa fazer parte do dia a dia da sua equipe, já que é muito mais fácil e eficiente realizá-lo do que buscar clientes novos.

Duas parcelas do seu público devem receber atenções para um upsell: os ativos e os inativos. Em ambos os casos, o custo-benefício é superior ao da aquisição de um novo cliente.

Ao acompanhar essas métricas para startup, você vai contar com diagnósticos bastante precisos sobre a saúde da sua empresa e maximizar as suas chances de sucesso. Qual o próximo passo? Agora assine a nossa newsletter para continuar recebendo informações valiosas para os negócios na sua caixa de e-mails!

Gerar boleto

Esteja sempre bem informado sem pagar nada!

Cadastre-se e receba um e-mail semanal com as últimas novidades do blog.