Startup Guia: o que fazer em caso de falta de dinheiro?

A criação de uma startup é muitas vezes baseada no sonho de pessoas determinadas a melhorar a vida de outras através de produtos e serviços, em troca de dinheiro e reconhecimento. O problema é que muitas vezes isso não acontece e o sonho de criar uma empresa de sucesso tropeça na realidade de contas atrasadas, dívidas e, em casos extremos, falência.

Ainda assim há algumas formas de contornar o problema da falta de dinheiro sem recorrer a mais dívidas ou fechar as portas. Infelizmente, essas dicas não servem para todas as startups e a implementação de cada uma pode variar dependendo da situação da empresa. Mas saiba que, dependendo do caso, é possível salvar o seu negócio

Vá atrás de dinheiro

As startups brasileiras estão passando por um período privilegiado. Há mais investidores, mentoria e oportunidades do que há alguns anos atrás. Isso significa que, é mais fácil conseguir dinheiro hoje do que antes. Dessa forma, procurar por investidores dispostos a injetar mais dinheiro na empresa não é uma tarefa difícil, se você souber como fazer isso.

Esta estratégia tem dois problemas: primeiro que não é rápido levantar dinheiro, mesmo que você consiga uma resposta positiva na primeira reunião. Há toda uma tramitação burocrática, conferência de documentos e assinaturas antes do dinheiro estar na conta. Outro problema é que o empreendedor terá que abrir de uma parte da empresa, em geral entre 10 e 30%.

Pivote o seu produto ou serviço

A falta de dinheiro é sinal de falta de clientes. E a falta de clientes pode ser causada por um produto ou serviço ruim ou sem mercado. Em qualquer um dos casos, o problema foi criado pelo próprio empreendedor no momento de desenhar seu plano de negócios.

Pivotar significa mudar, refazer ou transformar um produto em outro, aproveitando pouco ou nada da primeira versão. Para startups, significa alterar a ideia original para outra que possua um mercado maior ou com menos barreiras de entrada. Independentemente do rumo, é fundamental ter em mente que o pivot deve servir principalmente para atrair mais clientes do que o produto ou serviço anterior. Por outro lado, é preciso lembrar que um pivot pode custar tempo e recursos que a empresa não tem, e que por esse motivo precisa ser embasado em pesquisas de mercado e com clientes reais.

Controle as despesas

A sabedoria popular ensina que não importa quanto se ganha, mas quanto se gasta. O raciocínio é o mesmo para startups. Dessa forma, não faz sentido pagar altos salários para os fundadores, por exemplo, quando sua empresa ainda não fez o primeiro real. Controlar os gastos no início é fundamental para manter a empresa no eixo enquanto cresce, sem desperdícios. Porém, nem todas as startups conseguem, umas por falta de planejamento, outras por dependerem de soluções tecnológicas fundamentais para o produto.

Se você estiver trabalhando direito, com um planejamento fundamentado, irá perceber quando sua startup ficará sem dinheiro. Com um pouco de criatividade poderá contornar o problema. E isso inclui de mais investimentos e pivots até palestras e consultorias. Aproveite-se do conhecimento acumulado para que este momento seja passageiro e não o último ato antes da falência.

Alguma dúvida? Aproveite os comentários abaixo.

banner_rodape

Gerar boleto

Esteja sempre bem informado sem pagar nada!

Cadastre-se e receba um e-mail semanal com as últimas novidades do blog.